Vida de mãe doméstica

Eu já vinha pensando em escrever sobre isso há algum tempo. Várias conversas via twitter com minhas amigas me faziam ter vontade de contar a minha experiência, mas foi um post do blog Mamie Bella que deu o "start" pra este texto aqui. Num mundo perfeito, todas as mães teriam à sua disposição uma babá e uma empregada, full time, para ajudar em casa. Além de nascer dois braços extras, né? Mas o mundo não é perfeito e, de repente, você se vê em casa, sozinha, com um bebê muito exclusivista, que te quer o tempo todo só pra ele. Pois quando temos um bebê, descobrimos que ganhamos um chefe muito impaciente, mandão e extremamente exigente. E descobrimos que amamos isso! Mas acabamos ficando cansadas, extressadas e nervosas, porque afinal de contas, a casa continua ali, esperando por alguém que faça alguma coisa antes que o toda aquela gosma verde que brotou na pia tome conta da casa inteira.

Eu sei que não sou lá um grande referencial não, porque nunca tive mania de limpeza. Mas acho que vale a pena compartilhar aqui o que eu faço, afinal de contas posso não ser a Mrs Arrumação, mas se não fosse por mim, isso aqui tava pior que pardieiro.

1 - Esqueça todos os padrões de arrumação que você tinha antes. Sabe aquela casa com o piso tão limpo que dava pra almoçar lá, sem prato? Pois é, você vai ter que começar a aprender a conviver com uma casa apenas meio limpa. E é bom ter esse aprendizado agora, porque aos poucos você verá que muitos padrões seus mudarão com o bebê (por exemplo, o que é uma noite de sono). Se estressar com isso só vai fazer com que você fique ainda mais cansada e provavelmente seu filho vai sentir isso, fazendo com que ele também fique estressado.

2 - Não adianta achar que seu marido vai começar a perceber que existem tarefas domésticas esperando para ser feitas e passar a te ajudar, sem que você peça. Alguns homens são assim, mas são realmente poucos e a probabilidade que seu marido não seja um desses é muito grande. Então, peça. Converse com ele e façam uma listinha de tarefas pra cada um. Claro que pode ser que isso entre por um ouvido e saia pelo outro, mas não custa nada tentar, né?

3 - Se puder, contrate uma faxineira para ir na sua casa uma vez por semana. Não sai tão caro quanto outras opções e ela pode fazer a parte pesada e você apenas mantém durante o resto da semana (é o que fazemos aqui em casa).

4 - Faça o almoço no horário em que o bebê dorme mais. No meu caso, ela apaga entre 18 horas e meia noite. Então não é raro me ver cozinhando nesse horário. Deixo tudo pronto e só esquento no dia seguinte.

5 - Se na hora em que ele dorme você quer mais é se jogar na cama também, considere a possibilidade de pedir marmitas. Existem bons serviços de tele-entrega por aí, com comidas gostosinhas e com preço honesto.


6 - Compre um sling. Com ele o bebê fica coladinho com você e ainda assim você tem as duas mãos livres para fazer algumas tarefas. Eu consigo lavar louça e lavar roupa, entre outras coisas. Acredito que também dê pra passar roupa, mas como sou uma negação neste item, não posso garantir. Só lembre-se de que cozinhar com o bebê no sling pode ser extremamente perigoso, não faça! - O meu é da Slinguru, da querida Marília (da foto aí do lado). Recomendo!

7 - Outra boa opção é se entregar ao bebê durante o dia e entregá-lo ao pai no exato momento em que ele pisa em casa! (o mais indicado é mesmo esperá-lo comer e tomar banho, mas sabe-se lá, né?). Enquanto ele baba no bebê que ficou longe dele o dia todo, achando a criatura mais linda e graciosa do mundo, você corre e faz o que for possível. Tente somente fazer uma listinha antes, dividindo as tarefas pelo dia da semana, pra não ficar muito perdida.


8 - Entregue-se ao seu novo mantra: É TEMPORÁRIO. A sua casa não ficar essa bagunça pra sempre, o bebê não vai exigir tanto de você pra sempre. Um pouquinho de bagunça não vai matar ninguém, casa sem estar brilhando não vai matar ninguém.




Quem tiver outras dicas, pode colocar aqui nos comentários que eu vou fazer depois outro post só com isso. Afinal, eu também tô aprendendo, né? Dicas são sempre MUITO bem vindas por aqui!

6 comentários:

Aline Bretas disse...

a dica do mantra eh q tenho vivido! porque o tempo voa e daqui a pouco agente ate sente saudade! beijos Tati!

Dany, Danielle disse...

Eita, eita... sabe q ja tinha esquecido o quanto pauleira è essa fase? Vc vai rir muito ainda das minhas lamentçoes la na paraiba. Vais ver...
Bjos bjos mamae do ano!

Andréa Peixoto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andréa Peixoto disse...

Pois é minha amiga, não é nada fácil essa vida de mãe doméstica... minha vida ficou boa demais por um ano e meio (quando ela fazia quase tudo em casa, de segunda à sexta)... (tempo que essa minha empregada durou)... Não tenho paciência em ficar experimentando gente nova por aqui... crianças pequenas, eu tenho um monte de coisas pra resolver na rua, marido que dá plantão à noite e de manhã quer descansar — em plena segunda-feira... consegue imaginar a cena??? Quando eu fiquei sem empregada, fiquei um caco. Porque eu sou perfeccionista e gosto da casa arrumada... estranho né? Não ligo de uns brinquedos espalhados, mas quero tudo limpo e cheiroso... sem contar que hora ou outra recebemos visitas... Não sei como será minha vida ano que vem... não quero fazer planos... tampouco me estressar muito antes... Isabela está com 6 anos e o Paulo Dudu com 3 e de vez enquando eles querem exclusividade... é minha amiga, neste mundo imperfeito é, muitas vezes, mais fácil quando a gente sai pra trabalhar... beijos!

Não dou conta disse...

Ai...e eu que jurava que só eu vivia isso, ate me sentia culpada por reclamar e agora que tá tudo mais embananado voltei a trabalhar ( as crianças ficam na casa da avó, paterna diga-se de passagem, pq minah mora em Sampa)e a casa e a vida sempre um caos,...rs...ser mãe é padecer no paraiso....rs

Não dou conta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires