Eu, Vítor e o escotismo

Nós 3 com a camiseta do Acampamento de Grupo - Acampam
Contei que o Vítor entrou no Movimento Escoteiro? Pois é!! Por enquanto ainda é informalmente, porque ele ainda não tem 6 anos e meio. Claro que isso termina no mês que vem, quando ele finalmente alcançará esta idade.Eu fui escoteira por muitos anos. Fiz muita coisa legal, aprendi muita coisa legal. Até chefe de lobinhos eu fui (lobinhos é como são chamadas as crianças entre 7 e 11 anos que fazem parte do Movimento Escoteiro).

Engana-se quem pensa que ser escoteiro é só aprender a acampar, fazer fogueira com dois pauzinhos (coisa que eu não sei até hoje) e ajudar velhinha a atravessar a rua. No Escotismo se aprendem valores importantes e meio esquecidos hoje em dia, como valorizar e amar a nossa Pátria, disciplina e responsabilidade, entre muitos outros.

Pra se ter uma idéia, basta ver a definiçao da Missão do Movimento Escoteiro, de acordo com a União dos Escoteiros do Brasil (UEB):


Missão
A missão do escotismo é contribuir para a educação do jovem, baseado em sistema de valores baseados na Promessa e na Lei Escoteira, ajudando a construir um mundo melhor, aonde se valorize a realização individual e a participação construtiva em sociedade.

Foto tirada pelo chefe Souza Neto, num acampamento de chefia, em 1998

Mas o melhor de tudo isso é que as crianças, na maior parte do tempo, nem percebem que estão aprendendo tudo isso. Como? Vou dar um exemplo de uma atividade que fiz, há muitos anos, em uma atividade em que estavam reunidos lobinhos de todo o Distrito Federal. Cada Grupo Escoteiro estava responsável por desenvolver atividades sobre uma região do País. O nosso ficou com o Centro-Oeste. Então inventei uma história sobre um menino que tinha um grande sonho: construir uma cidade. Que todos zombavam dele e diziam que aquilo era apenas um sonho, que nunca iria acontecer. E blá-blá-blá, fui inventando coisa na história, dizendo que ele teve que estudar pra ser médico, pois precisava ganhar dinheiro e que o sonho foi ficando cada vez mais distante, mas que ele nunca desistia. Aí eu não me lembro mais o que foi que eu inventei (afinal faz tempo pra dedéu) mas cheguei no ponto em que ele se tornou Presidente da República e construiu Brasília. Só me lembro que perguntava pras crianças: e aí, vocês sabem quem foi este menino? E eles gritavam: siiiiiimmm!!! Juscelino Kubtschek!!!

  Nos meus tempos de chefe de lobinhos

Aí depois a gente fazia uns joguinhos sobre os outros Estados da Região Centro-Oeste, que eu não me lembro absolutamente nada do que eram, mas que se eu fosse fazer hoje, por exemplo, seriam sobre as características mais famosas, como o Pantanal, comidas típicas, por aí. O que eu quero explicar é: e fosse aula de geografia e história, duvido que eles teriam aprendido com tanta boa vontade como aprenderam nessa atividade. Em tempo: esse "encontro" de lobinhos chama-se Jambra (se não me engano, Jângal Brasília - me corrijam se eu estiver errada, faz muito tempo já).

Se faz diferença na vida dessas crianças. Sim, faz. Muita. Vamos começar pela minha vida: aprendi a me virar, a ser independente, a tomar a liderança, como ser líder, cozinhar, administrar, entre outras coisas. Na vida de muitas pessoas que conheci: meninos que aprenderam a cozinhar (coisas que a maioria não tinha aprendido em casa), lavar louça, ter cuidado com a aparência e as roupas, organizar suas coisas, respeitar as pessoas, entre muitas outras. Coisas que já vi que estão dando diferença na vida do Vítor, mesmo ele estando lá há aproximadamente dois meses: já sabe lavar o próprio copo, prato e talheres, sabe cortar coisas simples, como uma cebola ou linguiça e já sabe se virar com o próprio sanduíche.

Vítor e Gui cozinhando no Acampam

Então, gostou? Quer saber mais? Vai lá no site da UEB, lê tudinho. Se gostar mesmo, procura lá o endereço do Grupo Escoteiro mais próximo e faz uma experiência com seu filho. Eu acho que vale muito a pena! 

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
P.S.: Vou aproveitar pra contar uma historinha engraçada. Um dia estávamos em uma atividade com escoteiros de todo o DF no Eixão e eu estava completamente uniformizada e precisando de uma informação. Cheguei perto de uma senhora velhinha pra perguntar e, antes mesmo que eu abrisse a boca, ela começou a falar: não preciso que me ajudem a atravessar a rua. E eu ia abrir a boca e ela repetia: não preciso que me ajudem a atravessar a rua!!! Eu quase tive que gritar que não queria ajudá-la a atravessar o diabo da rua, que só precisava de uma informação! kkkk

5 comentários:

Kira! disse...

Eu fui escoteira, na verdade um grupo de escoteiros da Igreja Adventista do 7º dia, que se chama Desbravadores. Mas é a mesma coisa, praticamente. Só que envolve religião no meio.
Aprendi muito, e tive experiências maravilhosas!
Faz bem de encaminhar o Vitor para esse caminho!

Beijos

Ériquitas disse...

Muito legal Tati!
Eu comprovo diaria/e em minha vida, a diferença de um homem que pratica ou praticou escotismo;Além da educação, respeito, humildade e sensibilidade, eles ainda nos dão lição para a vida toda.
Meu noivo foi pioneiro do Grupo de Escoteiros José Luiz Torquato Nº 21 de Araraquara/SP e nossos futuros filhos, com certeza tb farão parte desse grupo, se Deus quiser!
O mundo seria mto melhor se todos pudessem conhecer melhor o escotismo.
O Vítor tá no caminho certo ;)
Bjos queridona!
PS: Li seu post p/ o amoreco, ele adorou!

Flavia Bernardo disse...

Adorei o post!
Não conheço muito sobre o escotismo, mas sempre soube que é uma ótima experiência pra criançada. Vou ler mais sobre isso!

beijos
Flávia
@flaviapbernardo

Alê Schnabel disse...

Ah q deliciaa!
meus tios foram chefes escoteiros..eu cheguei a ir um tempo..
e eu rtealmente acho muito legal
ensina muitos valores

acho q ajuda as pessoas a serem melhores em muitos sentidos

beijooss

Dany disse...

Tati, li todos os seus posts sobre escotismo e amei!
Estou querendo mt que Caio faça parte de um grupo de escoteiros. Sinto que vai ser bom pra ele. Ele não é nada independente, nada confiante e morre de vergonha de interagir com pessoas de fora. Além disso, ele não tem contato nenhum com crianças a não ser na escola.
Tomara que dê td certo!!! ai, ai...

Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires