O dia de dar adeus a um pequeno amigo canino

O dia em que adotamos o Sirius, foto tirada na feira

É, amigos. Infelizmente, hoje de manhã o meu pequeno Sirius Black nos deu adeus. Agradeço a todos vocês que leram e comentaram. Aqui, no twitter e no facebook. A força de vocês foi essencial pra que eu tivesse ânimo pra aguentar todo o processo. Porque a gente sabe que dá conta, mas fraqueja e as vezes duvida se vai conseguir mesmo. Mas se temos amigos como vocês, a gente busca força do fim do mundo pra continuar. Eu tenho até vergonha porque não consegui responder um por um, principalmente no twitter. Mas foi tudo tão conturbado hoje que realmente não deu. Vou contar o que aconteceu.

Ontem a noite consegui que a ONG que fez a adoção pra gente, ficasse com o Sirius pra fazer o tratamento dele. Porque nesses dois dias gastei mais de R$ 500,00 com ele, só Deus sabe quanto mais ainda iria gastar. E eu realmente não tenho de onde tirar esse dinheiro, não é má vontade. Quem acompanhou nossa trajetória sabe que ainda estamos engatinhando no nosso recomeço, ainda estamos vivendo totalmente sem luxos. Mas estamos felizes por poder recomeçar.

Foto mal tirada de webcam, eu e ele acompanhando o facebook :)
Mas voltando ao assunto, conseguimos o tratamento. Só que teria que levá-lo de manhã, mas no fim da noite (depois que publiquei o post) ele voltou a piorar. Teve mais episódios de epilepsia, voltou a não se alimentar, voltou a ficar fraco e hipotermico. Resultado: precisei interná-lo num hospital veterinário 24 horas. E lá a veterinária foi muito clara: não sabia se ele resistiria a aquela noite. Saímos de lá muito tristes e, pela primeira vez, a ficha do Vítor caiu. Ele chorava e dizia: mãe, meu amigo vai morrer? Dá pra imaginar meu coração como ficou? Pois é...

Chegando em casa conversei muito com ele. Expliquei que o Sirius estava sofrendo muito, que as vezes era melhor ele descansar do que ficar passando pelo que estava passando. Que se ele morresse, ele iria pro céu dos cachorros, que era um lugar muito legal pros cachorrinhos, super divertido. E o Gustavo ajudou dizendo que, como nenhum cachorro é mau, todos vão pro céu e que lá tem tudo o que eles mais gostam. (Aliás, a Calu me mandou uma história linda, a do arco-íris, leiam aqui)

Você resistiria a esse olhar pidão? :)
Hoje pela manhã eu iria levá-lo para a clínica indicada pela ONG. Então, liguei para o hospital e avisei que iria buscá-lo. No início da madrugada eu tinha falado com a veterinária, que tinha me avisado que o exame de sangue tinha indicado que ele estava profundamente anêmico, que talvez precisasse de transfusão e que tinham encontrado um vírus, não se sabia qual. Mas que ele estava estável, apesar de "caidinho". Ao chegar lá me avisaram que ele tinha apresentado vários episódios de epilepsia, mas que os medicamentos tinham estabilizado a situação. E que estava preparado para ir comigo.

Entrei na salinha, ele estava deitadinho na gaiola. Falei com ele e logo depois a veterinária diz: opa, ele está ficando com a respiração muito fraquinha! E logo depois: ele parou de respirar! Aí fizeram ressuscitação cardíaca e respiratória, por um tempo que eu não sei dizer qual foi. Pra mim foi uma eternidade! Fui pra um canto, chorando silenciosamente, pra não ficar no caminho e não atrapalhar o trabalho deles.

Enfim ele retornou. E ela me disse: ele voltou, mas provavelmente vai parar de novo. Eu posso fazer esse procedimento, mas você precisa me dizer até quando você quer que eu faça. Aí eu pedi pra que ela não fizesse novamente. Na verdade, eu queria ter parado da primeira vez, mas não quis interferir no trabalho dela. Acho isso tão invasivo, demais! Ele estava cansado, debilitado, precisando descansar! Não queria que ele sofresse mais! Eu disse a ela que não gostaria que fizessem isso nem comigo, não queria que fizessem com ele também. E perguntei se eu poderia me despedir dele. Ela mais do que prontamente me deixou a sós com meu pequeno pretinho.

Eu falei pra ele: "Oi meu amor, mamãe tá aqui. Você foi um amigo maravilhoso, um companheiro maravilhoso pra gente. Te amamos muito. Agora você pode descansar, que está tudo bem, eu estou aqui do seu lado. Descansa que a mamãe tá aqui". E ele morreu... 

Isso aconteceu há mais de 7 horas eu ainda choro ao escrever. Porque eu tenho a nítida impressão de que ele estava me esperando...

Lindo demais, sem comentários!

O Vítor ainda não sabe. Deixei pra contar quando ele chegasse da escola, achei melhor assim. Sei que ele vai chorar, vai ficar triste, mas vai superar. Crianças têm uma capacidade maravilhosa de superar essas coisas. Também sei que ele precisa aprender a lidar com esse tipo de coisa, faz parte da vida. Mas eu sou mãe, né gente? Sou de carne e osso, mas tenho coração e sentimentos. Só de pensar na hora de contar isso pra ele eu já me arrepio toda. Eu sei que vou me sair bem, mas mesmo assim gostaria de nunca ter que fazer isso.

Mais uma vez muito obrigada por toda a força que vocês me deram. Parece algo tão simples, um cachorrinho que morreu. Mas esses bichinhos entram na nossa vida de uma forma inexplicável, alteram nossas rotinas, aquecem nossos corações. Principalmente pra quem, como eu, era a principal responsável por ele. E vocês foram de uma compreensão inimaginável! Muito obrigada!

Depois que passar o meu luto eu vou sim procurar um novo amigo pra gente. Mas agora, por causa da suspeita do vírus (que pode ser de cinomose), teremos que procurar um mais velho. Aliás, acho até melhor, pois estará menos vulnerável e mais resistente. Mas esse é um próximo passo, pra um futuro. Não muito distante, mas futuro...

21 comentários:

Ana Carolina Amado disse...

Tati, força para vcs!
Chorei aqui tb!
Beijos
Ana Carolina

Tuka Siqueira disse...

Não consigo dizer nada, tô em lágrimas! Forças pra ti e pro Vítor.

bjs

Laragui disse...

Ahh, chorei aqui tbem... Mas ele descansou e está mesmo lá no céu dos cachorros, rs... E te entendo amiga, tem gente que pensa -aah, é só um cãozinho, mas era o seu caozinho e fazia parte da família de vcs... Tenho cachorro e já perdi outros, e dói muito...
beijos e força p vcs!

Denise Lopes disse...

Oi Tati, nossa que peninha e que dor vc passou e deve estar passando. Eles entram na nossa vida e enchem a mesma de alegria. Esperar por você foi a forma que ele encontrou para te dizer - Obrigada pelo seu amor! Fique bem, um beijo no seu coração.

Fanny Barbosa disse...

Em 10 anos criando bichos, já tive várias perdas, e todas vez, choro, me desespero e sofro.
Recentemente a nossa gatinha morreu, quiz esconder do Natanael, mas não deu, ele começou a perguntar, e falei, e minha surpresa foi enorme, ele disse que papai do céu iria cuidar dela agora.
Conte logo ao Vítor, é o melhor que vc faz, ele vai sofre vai chorar, mas vc vai estar ao lado dele.

eloiza64 disse...

Tati, já passei por esta perda do meu amado SPIFFY, um poodle branquinho, que não sei se você chegou a ver lá no Gr Escoterio,8º,em Bsb.
Foram 14 anos de puro amor e alegria, mas depois de 9 meses de leucemia, cuidado como uma pessoa até os remédios eram humanos, ele se foi . E nossa despedida foi quase assim como a sua. Ele descansou.Força a todos e principalmente ao Vítor. Logo, logo ele terá um novo amigo com certeza.Também fiquei demais comovida. bjssss

Futura Mamãe Tati disse...

Olá Thati! Vim conhecer seu cantinho, que soube através do blog de outra pessoa e me deparei com esse história triste. Saiba que eu tbm perdi uma cachorrinha a uns anos, a qual ficou por 15 anos comigo, era como um ente querido da família. A história é bem parecida com a sua, eu que fui buscá-la no veterinário quando morreu, me entregaram ela num saco de lixo preto, que falta de consideração. Sofri demais, ainda sinto muitas saudades, mas com o tempo o que fica são as boas lembranças. Força pra vcs superarem essa grande perda! Qdo vc tiver tempo passa no meu blog, vai ver que sou apaixonada por cães, tenho uma shitsu linda! E depois eu volto aqui com mais tempo pra conhecer melhor vcs! Fique com Deus e que o Sirius tbm esteja nesse céu de cães lindo que vc descreveu! Beijos

Adriana disse...

Poxa Tati, acompanhei a história do cachorrinho pelo Facebook... Que pena! Sinto muito, sei o quanto nos apegamos... Agora, eu já tive muitos cachorros e acontecia muito de morrerem de pavovirose (acho que assim que se escreve). Acontece principalmente em cachorros novos, pq quando dão a vacina que são em três doses acontece do vírus se desenvolver e acaba que o cachorro adquiri a doença (não sou veterinária não, estou falando pelas experiências que passei com cachorros). No caso de ser, vc deve passar pelo menos 3 anos sem criar um cachorro naquele local - dá uma olhada pra ver se não foi... Bjs.

melissa disse...

Poxa Tati que triste...chorei de manhã qndo vc contou no tt e agora tb...me lembro de cada cãozinho q já passou pela minha casa(minha mãe tem mania de pegar da rua) e de como sofria quando um adoecia e tínhamos q sacrificar!Dói!

Kelly Resende disse...

Oi Tathy, claro que eu chorei aqui tb. É tão triste perder um bichinho! Pede orientação pra veterinária sobre melhores formas de limpar o ambiente e se precisa ficar um tempo sem ter outro bicho, é melhor não arriscar a ter que passar por isso de novo. Claro que torço pra não precise, por vcs e pelos milhares de cãezinhos precisando muito de um lar.
Beijos

Mônika disse...

Ai, eu aqui chorei e lembrei das 2x que passei por isso. Força aí!

Elaina disse...

Que triste Thaty!

Já passei por isso qdo era criança, só que foi com meu gatinho, e o pior foi que ele morreu pq alguém bateu nele e perfurou o diafragma! Fiquei muito traumatizada.

Pode até parecer egoísmo, mas é por esse motivo que não quero mais ter animais em casa. O Davi ama cachorro, mas já avisei que ele só terá um cachorro qdo tiver a casa dele, aí ele pode ter o que quiser.

Mas força querida, e admiro sua coragem de ter outro bichinho.

Bjos

Elaina
http://www.vidademae.net/

Dani e afilhadas disse...

Thaty, muita força nesse momento. Chorei ao ler o post. Já tive um poodle que faleceu de uma hora pra outra com 10 anos. Agora tenho o Alf, um poodle de 12 anos. Muito levado e ativo, mas epilético desde que nasceu. Felizmente ele tá com a doença muito bem controlada, e para isso toma remédio 2 vezes ao dia.
Forças nesse momento.
Bjs
Dani e afilhadas
danibrito@gmail.com

Ninon disse...

OI Tati!!

Sinto muito por vocês. Esses bichinhos entram realmente na nossa vida, como membros da família. Ninguém vai pensar que é só um bichinho porque aposto como todas nós já passamos por isso em algum momento da vida.
Perdi uma amiguinha tão querida, há pouco mais de um ano, quando ainda estava esperando a Natália. Sei o quanto é dificil, pra gente a para as crianças. O Pedro ainda não entendia muito bem, mas mesmo assim, ele ficou dias e dias perguntando pela Cacau... e cada vez que ele perguntava eu chorava tudo de novo. Sabe que ela era muito parecida com o Sirius? E ela morreu sofrendo muito. Eu não conseguia deixar de me culpar, porque estava sempre preocupada com a gravidez e demorei um pouco para perceber que ela não estava bem. Me sentia tão mal por ter privado o Pedro de uma companheirinha tão doce... como se eu tivesse side responsável pela morte dela.. choro até agora de pensar nisso.
Quanto ao Victor, nem tem nada para ser dito. Você sabe o que fazer e como fazer.

Fiquem bem aí. Qualquer coisa, pode contar comigo. Já vi que não estão faltando ombros para te consolar e o meu é um deles.

Bjos querida!!!!

kkfaria disse...

Tati, é uma barra né? Tb to aqui chorando e compartilho sua dor. Espero que Vitor tenha reagido bem a situação. Fiquem com Deus...

Vanessa Cavasotto Leite disse...

Tati querida, entendo muito bem o sentimento de vcs!
Eu tive um dashund (salsicha) que morreu atropelado e ficamos todos desesperados, como se um pedaço dos nossos corações fosse arrancado do peito.
E há quase 2 anos atrás comprei um buldogue francês bem filhotinho e teve cinomose...toda ninhada morreu...eu já com instinto materno latejando passei noites em claro cuidando dele...como os irmãozinhos morreram tratamos bem rápido já e conseguimos (gastanto muito) curar a cinomose...mas certamente ele tem um anjinho da guarda lá no céu dos cachorros que ajudou pq cinomose mata acho que mais de 90% dos filhotes infectados com o vírus.
O apego ao Batman (bulgogue) é tão grande, que agora com a chegada do Lucas, o apto apertou de espaço e me vi sofrendo ao ver ele sem a mesma atenção que eu costumava dedicar a ele...não tinha como leva-lo pra passear com bebezinho pequeno em casa...ele está na casa dos meus pais que também são apaixonados por ele...e vai com eles pra todo canto, até ao supermercado (fica esperando no carro)...
A gente se apega a esses bichos de uma forma...é tão bom, pq eles nos dão muito amor...é uma lição de lealdade que ser humano algum consegue dar tão bem quanto um cachorrinho sabe dar com gestos tão simples mas tão especiais.
Eu só curei a dor da perda do meu Nike, salsicha, 4 anos depois quando comprei o Batman, buldogue.
Viver com cachorro é muito melhor!
Beijos e que vcs levem sempre na memória esse amiguinho!
@nessadobeto
www.babydanessaedobeto.blogspot.com

Vanessa Cavasotto Leite disse...

Tati querida, entendo muito bem o sentimento de vcs!
Eu tive um dashund (salsicha) que morreu atropelado e ficamos todos desesperados, como se um pedaço dos nossos corações fosse arrancado do peito.
E há quase 2 anos atrás comprei um buldogue francês bem filhotinho e teve cinomose...toda ninhada morreu...eu já com instinto materno latejando passei noites em claro cuidando dele...como os irmãozinhos morreram tratamos bem rápido já e conseguimos (gastanto muito) curar a cinomose...mas certamente ele tem um anjinho da guarda lá no céu dos cachorros que ajudou pq cinomose mata acho que mais de 90% dos filhotes infectados com o vírus.
O apego ao Batman (bulgogue) é tão grande, que agora com a chegada do Lucas, o apto apertou de espaço e me vi sofrendo ao ver ele sem a mesma atenção que eu costumava dedicar a ele...não tinha como leva-lo pra passear com bebezinho pequeno em casa...ele está na casa dos meus pais que também são apaixonados por ele...e vai com eles pra todo canto, até ao supermercado (fica esperando no carro)...
A gente se apega a esses bichos de uma forma...é tão bom, pq eles nos dão muito amor...é uma lição de lealdade que ser humano algum consegue dar tão bem quanto um cachorrinho sabe dar com gestos tão simples mas tão especiais.
Eu só curei a dor da perda do meu Nike, salsicha, 4 anos depois quando comprei o Batman, buldogue.
Viver com cachorro é muito melhor!
Beijos e que vcs levem sempre na memória esse amiguinho!
@nessadobeto
www.babydanessaedobeto.blogspot.com

Aprendendo com Davi disse...

Tati, eu não estava sabendo do ocorrido devido a minha ausência, mas fiquei mto chateada ontem qdo me colocaste apar da história.
Como adoradora de animais, senti junto contigo a dor.
Mas força aí, pra dar forças pro nosso lindo Vitor..
Daqui a pouco vcs encontram um novo amigo canino pra encantar vcs.

bjs bem grande

mArCeLe disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mArCeLe disse...

oi! vi seu post atraves de um link indicado pela Margatetss no FB. tomei a liberdade de "invadir" o seu espaço pra trazer o meu conforto. Tenho um pequeno amor aqui comigo (Bartolomeu, um pinscher anão). Já perdi outro amorzinho (Xuxa, uma poodle que mais parecia gente grande) e sei q ninguém substitui nem faz esquecer. So o tempo é que inverte dor em saudade. Espero q vc fique bem e supere guardando so boas lembranças! um bjo p vcs e pro Sirius lá no "céu dos cachorros felizes"! =)

7 de julho de 2011 11:55

Lia disse...

oLÁ!
Sou eu a invasora de blogs louca e com problemas de personalidade!
Querida sinto muito pelo Sirius, eu estou chorando muito poruqe meu filho se chama Victor e o cachorro é dele!
Sinto muito!
Abraços

Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires