Paraty: uma alternativa para um dia de chuva em Ubatuba

Está passando uns dias em Ubatuba com as crianças e choveu? Não sabe o que fazer? Uma boa dica é colocar todo mundo no carro e ir passear em Paraty.

Eu costumo brincar que as vezes o sol fica proibido de cruzar a divisa RJ/SP. Como nessa última vez que fomos. Em Ubatuba estava uma chuva DAQUELAS e em Paraty primeiro estava sol e depois ficou caindo uma garoinha, mas nada que atrapalhasse muito. Na verdade, de acordo com meu marido, isso até ajudou. Pois passear na cidade com solão e esse calor de dezembro seria dureza.

O que fazer em Paraty?

- Passear no Centro Histórico;
- Visitar o Forte Defensor Perpétuo;
- Almoçar em um dos muitos charmosos restaurantes do Centro Histórico;
- Passear de charrete;
- Tomar um delicioso sorvete enquanto passeia na praça;
-

E se vocês quiserem outras dicas, para passear com as crianças em Paraty também em dias de sol, confira as dicas dos seguintes blogs:

Feliz Natal!

Assista a "Árvore de Natal Magazine Luiza - Vitor Alves e Alice Alves" no YouTube

(Estavamos passando no Magazine Luiza e o Vitor ficou louco pra gravar a mensagem e aparecer na árvore de Natal de tvs. Claro que Alice logo quis também, né? Foi rapidinho, mas ficou uma gracinha)

*Postado pelo Android

Começando o adeus às chupetas

Faz tempo que estamos ensaiando a retirada da chupeta da Alice. Ela fez 3 anos em outubro e é mais apegada à "pepeta" do que o Vitor era na idade dela.

Então começamos a velha história de dar a chupeta para o Papai Noel. Ela já estava convencida a trocar o presente pela pepeta quando resolvi explicar melhor o que vaí acontecer, que depois que ela der não vai ter de volta, nem só na hora de dormir como ela me sugeriu durante o papo. E para começar o treinamento, resolvi começar esta noite.

Na hora de dormir entreguei o mamá como de costume, mas tirei a chupeta da orelha do cachorro de pelúcia antes de entregar a ela. E fui entregar o lençol do Vitor no outro quarto. Quando voltei me sentei no Puff ao lado da cama dela, no escuro, como sempre fazemos. E veio a seguinte conversa:

- Mamãe, cadê aquela "mimina" que tava na sua mão?

Eu, me fazendo de boba, disse:

- Que menina?

- Aquela mamãe! Aquela que tem um nome. Que começa com Pe...

-...túnia!

- Não mãe! (rindo) Pe...

-...dreira!

- Não mãe! Aquela que é amiga dos nenéns!

- Ah, se ela é amiga de um neném, deve estar com um deles...

- Aquela que se chama pepeta (cochichando)

- Alice, chega de enrolação, a gente combinou que você ia começar a dormir sem chupeta, lembra?

- Então vem dormir comigo? Porque eu não aguento mais essas pessoas que não dormem comigo...

- Tá Alice, tá bom. Vou tomar banho e volto depois, boa noite.(e claro que não voltei)

P.S.: Ela dormiu a noite inteirinha sem chupeta. Pode ser que não seja sempre assim, mas foi um ótimo começo!

Tirando o carro da garagem


Como uma pessoa tira o carro da garagem ANTES de ter filhos:


Sai de casa, tranca a porta, olha na bolsa para ver se não esqueceu nada, pega a chave do carro, destranca, coloca a bolsa lá dentro, vai até o portão, destranca, abre, volta para o carro, coloca a chave na ignição, liga o carro, engata a ré, anda um pouquinho, espera a hora que não passa carro nenhum, sai com o carro, desliga, vai até o portão, fecha, volta para o carro, liga de novo e sai.

Como uma pessoa tira o carro da garagem DEPOIS de ter filhos:

Sai de casa, olha na sua bolsa e na das crianças se esqueceu alguma coisa, tranca a porta, lembra que esqueceu o celular, volta correndo em casa, destranca a porta, pega o celular, tranca a porta de novo, põe um filho na cadeirinha, manda o outro abrir o portão, vê se colocou mesmo todas as bolsas no carro, coloca a chave na ignição, liga o carro, abre o vidro para escutar o que o mais velho tá berrando lá do lado de fora, fecha o vidro de novo porque tá um calor infernal e o ar não está dando conta do recado, olha para os lados para ver se o filho mais velho não está no caminho, começa a dar ré. O filho mais novo dá um berro: cadê o Teco (o gato)???? Você vai passar por cima do Teco!!! Eu não estou vendo o Tecooooooo!!!

Anda um pouquinho com o carro, espera a hora que não passa carro nenhum, explica para o caçula que o Teco está em um lugar seguro (3 vezes seguidas), sai com o carro, responde de novo que não dá para ver o gato porque ele está em um lugar seguro, para o carro na frente do portão enquanto espera pacientemente que o filho mais velho feche (porque ele perde o foco a cada 30 segundos, a cada mosca que passa), abre um pouco o vidro e lembra: é pra hoje!!. O filho volta para o carro, você engata a marcha e sai, respondendo pela milésima vez que o gato está lá, mesmo que não dê para ver...

Tradição ou modernidade?


Esse blog anda meio "abandonado", não é verdade? Esses últimos dias têm sido bem cheios, com duas viagens, inclusive. Prometo que em breve venho contar os detalhes e novidades e que também não vou mais deixar o blog tão ao léu...rs

Mas hoje eu vim falar de mudanças, do quanto algumas pessoas têm resistência a deixar de lado as tradições para se render às modernidades. Eu me lembrei disso ontem, enquanto assistíamos novamente o desenho Madagascar 3, quando os animais do circo discutem se devem ou não mudar o jeito de suas apresentações, se devem continuar seguindo a tradição ou se devem mudar para algo mais moderno. O tigre Vitale argumenta que sempre seguiram a tradição e o leão marinho Stefano responde: mas a tradição não tem atraído mais tantas pessoas para os espetáculos atualmente, não é?

Era só um desenho, mas como vemos isso no dia a dia! Eu, particularmente, acredito que as tradições não devem ser esquecidas, mas que não podemos ficar parados no tempo eternamente. Até porque, mesmo que a gente queira ficar assim, o mundo não vai nos acompanhar, vamos ficar para trás. E, dependendo do caso, isso até pode ser perigoso e colocar em risco a nossa vida ou de outras pessoas.

Acho que tive boas orientações durante a minha vida. Nunca vou me esquecer de um chefe escoteiro que sempre nos falava sobre isso, sobre quebrar paradigmas. Inclusive, foi a primeira vez na vida em que escutei essa palavra. Uma vez ele nos pediu que juntássemos as duas mãos, cruzando os dedos. Aí pediu que cruzássemos de um jeito diferente do que estávamos acostumados, "pulando" a posição de um dedo. E perguntou se estávamos sentindo o desconforto, para completar: se com uma simples troca de posição de dedos a gente já se sente esquisito, imagina com uma mudança grande, substancial? Mas isso não deve ser motivo para não mudar. Afinal, se você insistir mais, aos poucos o desconforto vai diminuindo e chega uma hora em que você já nem sente mais a diferença.

Hoje o grande chefe Osny Fagundes já está no Grande Acampamento, mas deixou as sementes muito bem plantadinhas por aqui, em um grande número de jovens (sem contar com as contribuições ainda mais efetivas). Não posso dizer pelos outros, mas em mim essa semente germinou e hoje dá frutos. Consigo entender muitas mudanças e enxergar a necessidade delas. Consigo reverenciar a tradição, mas entender que se continuarmos presos a ela poderemos pagar um preço muito alto.

Para colocar isso um pouco mais na nossa vida, no dia a dia, vou dar alguns exemplos:

- Antigamente as crianças viajavam deitadas no porta-malas (meu pai fazia camas para a gente lá), isso era uma tradição em viagens familiares. Hoje, depois de muitas pesquisas, sabe-se que isso não é seguro, porque em caso de acidente as crianças estão sem cinto de segurança;

- Quando as mulheres começavam a amamentar, era recomendado que tomassem cerveja preta, para aumentar o leite. Hoje sabe-se que o álcool passa para o leite e, consequentemente, para o bebê.

- Durante um tempo achava-se que a extinção das espécies era o nosso maior problema ecológico. E foi criada uma insígnia no Movimento Escoteiro, exclusivamente sobre isso. Atualmente sabemos que nossos problemas ecológicos são muito maiores do que somente a conservação das espécies (não que isso não seja importante).

E por aí vai, a lista é praticamente interminável. São coisas que fizemos a vida inteira, mas que nem sempre fazem mais sentido em serem mantidas desta forma. Não é questão de desrespeito com quem veio atrás da gente e que, muitas vezes até abriram caminho, foram pioneiros. É apenas questão de que a vida deve seguir...

O que vocês acham? Concordam comigo ou acham que deve ser diferente?

Pérolas e mais pérolas

Hoje vou contar algumas pérolas que esses dois pés de pimenta me soltaram nos últimos dias:

Alice

- Alice, faz um favor pra mamãe. Vai apagar a luz do quarto do seu irmão.

Dá um tempo e ela volta, com uma tromba imensa:

- Eu num sei onde fica aquele troço!

- Que troço, Alice?

- Aquele que acende e apaga ( o interruptor)

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ela apronta, apronta, pede mil vezes o que já sabe que não pode. Aí olho pra ela e faço não com o indicador:

- Alice, olha o dedinho! Nananão!

Ela me olha com a cara mais sapeca do mundo, faz sim com a cabeça e solta:

- Mamãe, olha a cabecinha! Sim sim sim!


Vítor

Ele usando o computador do pai e não consegue desligar de jeito nenhum (está com defeito). Aí eu digo:

- Faz assim: clica em hibernar.

Ele me olha assustado e diz:

- Ué! Mas assim não vai desligar por seis meses?

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estou fazendo a Dieta Dukan. Vítor está acompanhando atentamente tudo o que eu faço, detalhe por detalhe, curioso do jeito que é. Aí ele me perguntou:

- Mãe, quando você vai poder tomar suco de uva comigo?

- Não sei filho, acho que só daqui a uns 4 meses.

- Credo mãe! Por isso que essa dieta se chama DuCão

Vamos fazer uma festa de Halloween?

Amanhã, 31 de outubro, é comemorado o Dia das Bruxas, o tal famoso Halloween. Tá certo que é uma festa mais comemorada lá fora, principalmente nos EUA. Mas por aqui também tem algumas festinhas e acho bem legal participar, sem entrar na onda do debate de "amerizanização", "capitalismo" e bla bla bla. Para mim essa é apenas mais uma forma legal de se divertir e usar fantasias bem legais.

Por isso vou disponibilizar alguns arquivos aqui que irão facilitar muito a sua festa. Basta imprimir, recortar e voilá! Você terá um lanchinho de Halloween!

Forminhas para doces e salgados

Saias para cupcakes

Toppers para docinhos ou cupcakes
Divirtam-se!!

Devemos deixar as crianças aprenderem com seus erros?


Eu acredito que as pessoas aprendem com seus próprios erros. As crianças inclusive. Se a gente insiste em fazer tudo por elas estamos privando-as desse aprendizado tão importante. Claro que há limites. Mas deixar que eles cometam pequenos erros não vai prejudicá-los, pelo contrário!

Algumas pessoas ainda ficam horrorizadas quando eu digo que deixei o Vítor fazer sozinho a mochila para a Noite do Pijama, feita pelo grupo escoteiro que a gente ia na época. A verdade e que eu não deixei fazer sozinho assim, do nada. Eu pedi que ele fizesse uma lista de tudo que achava necessário levar, depois dei uma lista minha para que ele comparar e acrescentar o que estivesse faltando. E só aí ele faria a mochila.

Claro que ele tem 8 anos e, como todo bom menino de 8 anos, tem o foco extremamente reduzido. Mesmo com as duas listas ele esqueceu sabe o que? O pijama! Como eu não conferi a mochila (claro que não, senão o aprendizado ia por água abaixo), só descobrimos isso DURANTE a Festa do Pijama. Ele não deixou de participar das brincadeiras e nem de se divertir. Mas não estava de pijama como os demais colegas.

Ele não passou dias se remoendo por causa disso. Na verdade, mal ficou triste no dia (a gente minimizou e o incentivou a participar. Aliás, um agradecimento especial à Fernanda, Akelá dele na época, pelo incentivo extra). 

Quer saber se ele aprendeu a lição? No último fim de semana ele foi acantonar com sua nova Alcatéia e, na lista que a Akelá enviou não tinha pijama (não precisava). A primeira coisa que ele fez foi vir correndo pra mim e dizer: tá faltando o pijama!!!

Isso me lembra uma história contada por um amigo meu, escotista há vários e vários anos, Nilton Brandão. Ele contou ao Vítor que uma vez foi acampar e esqueceu de levar toalha. Teve que fazer mil malabarismos para se secar depois do banho e nunca mais esqueceu uma toalha na vida. Era sempre o primeiro item a entrar na mochila. De tanto contar essa história ao filho Victor ele também sempre pensou em toalhas ao fazer suas mochilas...rs

Claro que o aprendizado ainda não terminou. Agora ele está aprendendo que precisa ter foco na hora de fazer a mochila, que se ficar zanzando por toda a casa enquanto trabalha vai esquecer alguma coisa. Mas pra quem o aprendizado terminou, não é verdade?

Reciclagem com crianças - embalagem de amaciante

Praticamente todo mundo usa amaciante em casa. E, se você é como eu, também fica com a maior dó na hora de jogar fora. Então que tal fazer com as crianças algumas coisas úteis? Veja algumas dicas:

Jardim suspenso. Imagem: Jardinaria

Para fazer esse é só cortar a parte de cima. Imagem: Jardinaria

Organizador de lápis de cor. Dá para colocar pendurado na parede também. Imagem: Jardinaria

Pá de lixo. Imagem:Ciclo Vivo
Peso de porta com cara de gatinho. Imagem: ...silvio!
Carrinho com embalagem de amaciante e rodas de garrafa PET. Imagem: Portal de Artesanato
Um ótimo regador para molhar suas plantinhas. Imagem: Idéias Green

3 anos da Alice - Aniversário dos Smurfs



A minha princesinha completou 3 anos no dia 16 de outubro. Fizemos uma festa na casa da avó dela no interior de SP, da Barbie Vida de Sereia, com tudo o que ela tinha direito. Mas fizemos um bolinho no escoteiro também, lá em Santos, meio que uma despedida, já que estamos mudando para um grupo aqui de Sampa mesmo. 



O bolinho lá foi com o tema dos Smurfs, que ela adora! Tirei poucas fotos, com o celular mesmo. Foi uma correria danada, mas as crianças se divertiram bastante! Da próxima vez vou deixar alguém a postos só para tirar fotos...rsrs



Como personalizei tudo, aproveitei para disponibilizar aqui no blog os arquivos que eu fiz, mas sem o nome e idade. Assim, quem quiser fazer um bolinho rápido e personalizado pode baixar as imagens aqui e fazer, bem rapidinho. Aproveitem!

Rótulos para bisnagas de brigadeiro

Rótulos para bolhinha de sabão

Topper (docinhos, cupcakes, etc)

Rótulos para tubos de ensaio

Blogagem coletiva "É da nossa conta - Trabalho infantil e adolescente"


Quando a Samantha me chamou para participar do projeto "É da nossa conta - Trabalho infantil e adolescente", eu fiquei super empolgada e topei na hora. Quando fui conhecendo mais sobre o assunto, começaram a surgir as dúvidas e questionamentos. Afinal, eu realmente acredito que é da nossa conta. Mas a pergunta que não quer calar é: o que eu posso fazer? E acho que um monte de gente tem as mesmas dúvidas.

Então hoje, que é o dia da blogagem coletiva sobre o assunto, eu resolvi escrever exatamente sobre isso. O que eu, você, ele, ela e todo mundo pode fazer, para que todo mundo entenda porque é da nossa conta. Mas antes de explicar o motivo, vamos começar pelo começo: o que é?

"Trabalho infantil é quando a criança ou adolescente é submetido a uma atividade regular (por exemplo, todas as tardes), com ou sem remuneração, na qual ela tem compromisso (se ela não fizer outra pessoa não vai assumir) e que limita seu tempo para brincar, estudar e descansar, afetando seu desenvolvimento físico, psicológico e emocional."

Agora que você já sabe o que é, vamos a outro fator importante: a legislação.

"No Brasil, é qualquer trabalho exercido por criança e adolescente com menos de 16 anos, exceto na condição de aprendiz, e é proibido por lei. Os programas de aprendizagem, cujo objetivo é facilitar a formação técnico-profissional de adolescentes a partir dos 14 anos, devem atender a uma série de condições específicas, de modo a garantir que esse trabalho não prejudique o cotidiano e a vida escolar do jovem, entre outros"

Mas o que nós temos a ver com isso?

Um dos redatores do Estatuto da Criança e do Adolescente, o pedagogo Antonio Carlos Gomes da Costa, diz: "A exploração da mão-de-obra infantil rouba ao menino ou menina o direito de ser criança". Dá pra imaginar uma criança que cresceu e virou adulto sem nunca ter a chance de realmente ser criança? De curtir a infância, de aproveitar tudo de bom que essa fase proporciona? O que você pensaria se isso tivesse acontecido com você? E se você soubesse que outras pessoas tinham o poder de te ajudar e não fizeram nada simplesmente porque acharam que não era da conta delas?

E o que podemos fazer, afinal?

O primeiro e mais importante passo é: saiba mais sobre o assunto. Quanto mais você souber, mais vai conseguir reconhecer e passar este conhecimento para outras pessoas. A campanha tem um site bem legal, da Fundação Pró-Menino, com várias informações interessantes (clique aqui

Para saber mais também tem vários vídeos interessantes. Vou colocar só um, mas recomendo muito que vocês assistam todos, vale muito a pena!


Depois de aprender mais sobre o assunto, compartilhe essa informação  com as pessoas ao seu redor. Assim como é da nossa conta, também é da conta delas. Quanto mais gente for esclarecida, mais gente vai poder combater.

E, por fim, entre em ação. Não compre nada de crianças nas ruas, bares ou restaurantes. Não dê dinheiro a crianças em semáforos. Seja um eleitor consciente, procure saber se o seu candidato tem propostas sobre este assunto. Não compre no mercadinho da esquina que tem crianças fazendo entregas. E denuncie o qeu vê por aí. Não tenha dó, eles não serão castigados, serão encaminhados para um futuro melhor! Para denunciar você pode usar o Disque 100 - Disque Denúncia Nacional ou o site www.disque100.gov.br

Participe também do papo que fazemos todas as terças e quintas, das 15h às 16h, na fanpage do projeto Promenino da Fundação Telefônica ou no Twitter usando a hashtag #semtrabalhoinfantil.

DIY - Dia do professor

Todo ano eu sofro para encontrar um presente criativo e em conta para dar aos professores das crianças no dia 15 de outubro. E todo ano eu faço em cima da hora e acabo comprando algo até interessante, mas que não é exatamente o que eu gostaria de dar. Esse ano eu vou fazer diferente, graças a algumas sugestões bem legais que vi ainda em agosto.

Já que eu sei que a maior parte de vocês tem o mesmo problema, vou compartilhar aqui algumas dessas sugestões!

Biscoito com rótulo personalizado

Imagem daqui
Se você é prendada, faça o biscoito. Se não, compra em casa de biscoitos caseiros, não tem problema. O importante é a intenção e o carinho. E se você também não é boa em fazer artes no computador, pode deixar a criança fazer a personalização.

Esmalte personalizado

Imagem daqui
Dá pra fazer o rótulo no computador ou pedir pra criança fazer o desenho em uma etiqueta, recortar e colar.

Copo/caneca personalizados


Deixe as crianças fazerem o desenho ou mensagem. Os detalhes de como fazer estão neste post aqui.

Caixa SPA

Arrume uma caixa bonita (dá pra fazer uma com caixa de sapato e papel contact, como fiz neste post aqui) e coloque algumas coisas que sirvam para ela relaxar depois de um dia de trabalho, tipo: creme de massagem para os pés, sais de banho, óleo perfumado, velas aromatizantes, etc.

E você, qual dica tem? O nosso presente vai ser surpresa, depois conto aqui! :)

Eu A-D-O-R-O animais. E você?

Como hoje é dia mundial dos animais, resolvi fazer uma homentagem aos meus "filhos de rabo", como diz minha tia Tereza. Eu não sei se vocês sabem, mas aqui em casa temos dois gatos e dois cachorros, todos vira latas e adotados. Todos lindos e encantadores!

(Antes de começar, um comentário extra: hoje também é dia do lobinho e o Vítor fez um post sobre isso lá no blog dele. Não deixe de conferir também!)

Os gatos foram os primeiros a chegar, a gente nem tinha a Alice ainda. São o Tico e o Teco (embora o Tico tenha sido Cristal por algum tempo, longa história...rs), sempre juntos e deitando nos locais mais improváveis!

Bacia é pra lavar roupa? Não, é pra dormir...rs

Vida boa!

No chão é mais fresquinho
Depois, aqui em São Paulo já, a gente adotou um lindo labralata, o Sirius Black. Ele é um amor, as vezes um pouco bruto demais e destrói TUDO, mas é um dengo. Toda vez que toca algum sinal na Academia militar que tem aqui perto, ele uiva junto, é muito engraçado. Olha só que lindão:

No dia em que nos conhecemos, ele tinha 4 meses.

Depois de um banhozinho (claro que ele destruiu a gravata logo depois) :)
O último a chegar foi o Thor. Ele veio com a mãe e um irmão, fomos lar provisório para eles. O Thor era o mais fraquinho da ninhada, muita gente achava que ele não ia vingar. Mas nos dias em que ele ficou aqui em casa foi ficando mais forte e mais esperto, principalmente depois que resolvemos ficar com ele e a mamãe e o irmãozinho foram embora. Agora ele tem em torno de 3 meses e é uma fofura, o bebezão da casa.

Aqui ele tinha uns 2 meses. Agora ele tá muito maior!
Lindos!
Agora, só para finalizar, claro que eu não podia esquecer das minhas "sobrinhas de rabo", as duas lindas cachorrinhas da minha irmã, lá em Brasília: Melanie e Ninna.

A Melzinha pegando um sol (sim, ela enxerga..rs)

Ninna toda linda e sapeca

Dá pra unir tradição com tecnologia e ainda causar uma mudança social?


Outro dia eu recebi um convite da Samantha Shiraishi: escrever sobre casos em que a tecnologia ajudou a mudar uma realidade social. Eu pensei durante um tempo e me lembrei de um caso, um que eu gosto bastante de citar. A princípio pode até não parecer que essa iniciativa cause uma mudança social, mas eu vou explicar e vocês vão concordar comigo, certeza.

Eu já escrevi aqui sobre as especialidades escoteiras (se você não leu, clique aqui). Mas, para resumir, a especialidade é uma conquista pessoal que indica o conhecimento de determinado tema por certo escoteiro. Para obter uma especialidade no nível 1, é preciso cumprir 1/3 dos requisitos. Ou seja, se houverem 9 requisitos, basta cumprir 3. Se houverem 12, é preciso cumprir 4, e assim em diante. Para obter o nível 2, são necessários 2/3 dos requisitos, e para o nível 3, todos os requisitos. Existem cinco ramos de conhecimento para as especialidades e as mesmas são necessárias para diversas conquistas escoteiras.

Esses ramos de conhecimento precisam refletir a realidade que os nossos jovens vivem. E não dá para negar que, atualmente, eles respiram tecnologia. Mas como unir tecnologia ao escotismo? E é assim que a gente entra na iniciativa que eu falei ali em cima: foi criada uma especialidade de video game. Mas não é simplesmente uma especialidade em que o jovem tem que "zerar" um jogo ou vários. É muito mais do que simplesmente isso. Dá uma olhadinha nos itens necessários para conquistar esta especialidade:

1 - Compreender o roteiro do jogo escolhido, terminando o jogo e fazendo um relatório.

2 - Relatar sobre procedimentos de segurança ao ligar aparelhos na rede elétrica.

3 - Explicar a um colega de Patrulha ou da Alcatéia como surgiram os vídeo-games.

4 - Explicar a importância da restrição de faixa etária em determinados jogos.

5 - Montar com seu responsável ou pais, uma lista de tarefas incluindo um horário para jogar videogame e realizar isso durante um mês.

6 - Escolher um jogo de videogame que gostaria de comprar, efetuar uma pesquisa de preço com três estabelecimentos, juntar e adquirir com suas economias, de preferência de pequenos trabalhos.

7 - Promover um debate ou estudo de caso com a sua Seção sobre o tema da pirataria, juntamente com convidados.

8 - Jogar no mínimo duas horas de videogame com uma pessoa com mais de 65 anos, ao fim, aprender com essa pessoa, no mínimo dois jogos da infância dela e aplicar aos jovens de sua patrulha ou alcatéia.

9 - Organizar, coordenar e executar um torneio de videogame na sua tropa ou alcatéia, convidando outros escoteiros e jovens da mesma faixa etária.

Confesso que um dos itens que eu mais gosto é o número 8, porque promove uma interação muito gostosa entre os jovens e os mais velhos, que não tem tanta familiaridade assim com a tecnologia atual. E eu acredito muito que é assim, de grão em grão, que uma grande mudança pode ser feita. Ao decidir tirar essa especialidade o jovem começa pensando de uma forma e termina com outra visão das coisas. Não é uma mudança social muito legal? Eu pelo menos adoro!!

Vai ter novidade em breve...

Eu ainda não posso contar tudinho, mas só para dar uma dica e adiantar um pouquinho...rs


Reciclagem com crianças: o que fazer com os potes de papinha?

Quem tem criança geralmente tem um monte de potes de papinha em casa. Quer dizer, se a pessoa for como eu, que tem a maior dó de jogar esse tipo de coisa fora. Então aqui está uma dica super simples de fazer, que ajuda muito na cozinha! Dá também para pedir que as crianças personalizem as etiquetas.

Fonte: The Forge Style

Fazendo o desfralde em uma menina sapeca


E chegou a hora, Alice está sendo desfraldada. Eu já tinha passado pela experiência de desfralde uma vez, com o Vítor. Talvez por isso tenha ficado bem mais tranquila desta vez, mesmo tendo muitas coisas diferentes. Não sei ainda se é exatamente por ser uma menina desta vez, ou se é simplesmente porque são pessoas diferentes, com personalidades diferentes. Só sei que a experiência está sendo, definitivamente, muito diferente.

A Alice vai fazer 3 anos daqui a mais ou menos um mês. O Vítor foi desfraldado bem antes, mas tentei começar antes com ela e senti que não estava pronta. Até a hora de escolher o peniquinho e comprar estava tudo muito bem. Mas na hora de sentar e fazer o que tinha que ser feito o bicho pegava. Então resolvi deixar para lá e esperar.

Aqui vale a pena abrir um parenteses. Quando o Vítor era pequeno tudo que eu li a respeito de desfralde dizia que a criança só atingia a maturidade física para controlar o esfincter com 2 anos e meio. E naquela época as escolinhas e creches faziam o desfralde nessa época por conta disso. Eu não sei o que aconteceu nesse meio tempo entre o desfralde do Vítor e o desfralde da Alice, mas parece que as coisas viraram de cabeça para baixo. Parece que agora isso tem acontecido cada vez mais cedo, com as mais variadas justificativas (quando não vira motivo de disputa entre as mães, que adoram exibir crianças que já não usam fralda). Perdi as contas de quantas vezes precisei responder à pergunta: ela AINDA usa fraldas?? As vezes tive vontade de lembrar que ela AINDA tem DOIS anos, mas deixei para lá. Enfim, eu continuo sendo a favor de esperar o tempo da criança. Se tiver que continuar comprando fralda, vou continuar até onde precisar, mesmo sendo caro, nem que precise trabalhar duas ou três vezes mais. E se precisar retroceder, se ela me der sinais de que quer desfraldar e depois desistir, tudo bem. Esse é o tempo dela, não o meu...

Saindo do parenteses, esperei o inverno passar, que aqui em São Paulo fazer desfralde nessa estação é maldade. Ela já estava fazendo cocô no penico bem direitinho, mas o xixi ainda não estava funcionando. Então, agora que o tempo esquentou, recomeçamos e está dando certo! Ela não tem mais medo do peniquinho e tem ficado cada vez mais tempo sem fraldas. Confesso que estou até impressionada, porque faz pouco mais de uma semana que começamos, mas quando preciso colocar fralda nela por algum motivo vejo depois que ficou sequinha! E as vezes, mesmo de fralda, ela pede para ir ao banheiro.

Uma coisa que deu muito certo por aqui foi a história do cartaz, que eu até fiz um post há um tempão atrás. Com ela fiz algo bem mais simples, de um modo que ela pudesse entender sem que eu tivesse que fazer outro cartaz só com desenhos explicando...rs


Cada vez que ela usa o peniquinho, pode colar o adesivo no cartaz. Ela A-M-A adesivos, então é um incentivo e tanto! Em algumas casas eu coloquei uns prêmios, tipo balinhas, jujubas e chocolates. Eu sei que não é muito legal associar comida com esse tipo de coisa, mas como eles só comem essas besteiras no fim de semana e a Alice adora, achei que uma vez só não ia matar.

Bem, para resumir, está sendo um sucesso! Claro que acontecem escapes e tal, mas faz parte, não tem muito como fugir disso. De qualquer modo, uma hora isso vai passar. Passou com o Vítor, vai passar com ela também (aliás, com o Vítor o problema foi tirar a fralda noturna, dava um post a parte).

Tirar foto desta criatura inquieta é uma novela. Cansei e vai essa aí mesmo...rs
E vocês, como foi/está sendo a experiência?

Aprendendo a fazer um café da manhã mais saudável

Foto: Luis Germano

Semana passada eu fui a um evento muito legal da Nestlé, o "Café da manhã é + do que você imagina!", que aconteceu em sua cozinha experimental. As mamães blogueiras tiveram um papo bem legal com o Dr. Mauro Fisberg, pediatra e nutrólogo da Unifesp, e com a nutricionista Camila Freitas, que comentaram os pontos fortes e fracos do café da manhã que a gente prepara diariamente para nossos filhos, além de nos dar várias dicas para melhorar esta refeição tão importante.

O bom é que eu cheguei lá achando que o café da manhã que eu faço pras crianças era terrível já que eu estou sempre correndo, então nem sempre consigo comprar ou fazer coisas mais elaboradas. Mas descobri que nem é tão ruim assim. Só preciso oferecer mais frutas e incluir mais produtos integrais. Legal!

Eles pediram pra gente colocar na bandeja o que costuma ter no café da manhã. Foto: Luis Germano

Depois ia uma por uma conversar com eles. Foto: Luis Germano
 Mesmo tendo ficado feliz por descobrir que o café lá de casa está melhor do que eu imaginava, ainda assim peguei boas dicas de variar um pouco o que eu ofereço pras crianças e até mesmo do que eu mesma como, que não é tão bom assim...rs

Se vocês também quiserem algumas dicas de como incrementar o café da manhã dos seus filhos, dá uma olhadinha neste site aqui: Café da manhã é + do que você imagina

Para saber mais das dicas que eles me deram, confiram esse vídeo:


Pra rir um pouquinho III

Sonho de consumo de 10 entre 10 homens!!!

By Depósito de Tirinhas

Novidades da Confetti para 2013

Faz tempo que temos uma parceria legal com a Confetti. De vez em quando temos aqui sorteios de produtos desta empresa, que eu adoro, porque tem produtos super diferentes e muito legais. Então foi um prazer aceitar o convite deles para conhecer as novidades que eles vão lançar em 2013, que estavam expostas na feira OfficePaper Brasil Escolar.

Então, para não ficar de lenga lenga, vou logo mostrar aqui o que vimos em primeira mão!

Olha só que bolsa linda que eu ganhei!!

Todas interessadissimas em ver as novidades.

Linha Beads

Mais um pouco da linha Beads

Linha Fashion

As blogueiras enlouquecidas com tanta coisa linda!


Linha Nani & Friends

Linha Deep Love

Linha Mizu

Agendas 2013

Tirei uma foto especial da minha favorita, a coruja Dora.

Cadernos de música, pautados.
Lindos cadernos com estampas de bichos da linha Eco.

Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires