A Hora do Planeta: o que é e dicas de atividades com crianças e escoteiros



Vocês sabem que no sábado acontece a Hora do Planeta? Quer dizer, peraí, vamos começar do começo: vocês sabem o que é a Hora do Planeta? Então, antes de qualquer outra coisa, vamos a umas explicações rápidas:

O que é:

Um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante sessenta minutos.

Mas por que eu deveria participar? O que isso muda na prática?

Apesar de ser um gesto simbólico (pois apagar a luz por uma hora apenas uma vez no ano não é a solução do problema), a Hora do Planeta tem grande repercussão no mundo todo. Vários países participam, monumentos são apagados, várias instituições e empresas se mobilizam para participar. 

Não é a economia de energia do momento, é o ato, a repercussão, o fato de várias pessoas mostrarem que se preocupam com o rumo que as coisas estão tomando, que estão a favor de mudanças. E o fato de várias desses governos, entidades e pessoas que participam comprometem-se em continuar a promover ações concretas de mudanças de comportamento para favorecer o planeta.

Bem, dadas as explicações iniciais sobre o evento, voltemos ao ponto onde eu dizia que a Hora do Planeta acontecerá no próximo sábado (31 de março de 2012), às 20h30. E eu acho que é uma chance ímpar de fazer com que as crianças dêem o primeiro passo (se nunca fizeram isso antes) em uma mobilização ambiental. Aí você me diz: tudo bem, acho muito importante, é muito legal, quero participar. Mas não tenho a menor idéia do que fazer e nem como.

Pensando nisso (e depois de fazer uma lista como essa para o meu grupo escoteiro), achei que seria legal compartilhar algumas idéias aqui. E algumas destas idéias vão com versão para escoteiros, já que não são só as mães que têm essas dúvidas, mas também os chefes escoteiros e até mesmo os próprios jovens. Vamos lá?

Não esqueça de, antes do evento, explicar às crianças o motivo da mobilização e o que se pretende alcançar com isso!

- Se seus filhos já são maiorzinhos, faça uma noite de histórias de terror (Versão para escoteiros: Junte sua patrulha ou tropa na casa de alguém ou em um acampamento e façam uma roda de histórias de terror).

- Se os filhos são pequenos, faça uma cabana de lençol na sala e conte histórias mágicas (versão para lobinhos: faça um acantonamento relâmpago com a Alcatéia, à luz do lampião, com histórias do Mogli. Quando der 21h30 os pais podem buscar)

- Baixe o jogo da WWF "Coisas para fazer durante a Hora do Planeta" e divirtam-se (Versão para escoteiros: junte sua patrulha ou tropa, providenciem pipoca e refri e divirtam-se com o jogo)

- Façam o jogo da música: uma pessoa diz uma palavra e cada um precisa cantar uma música com ela (Versão para escoteiros: Junte sua patrulha ou tropa e cantem todas as canções escoteiras que vocês lembrarem . Ou façam o jogo da música só com músicas escoteiras, para dificultar. Ou joguem do jeito tradicional).

- Reúna sua família para conversar, sobre qualquer assunto. Há quanto tempo vocês não fazem isto? (Versão para escoteiros: Junte todos seus amigos escoteiros e relembrem todos os melhores momentos que vocês viveram, naquele acampamento maravilhoso, naquela viagem inesquecível, os micos que vocês pagaram, etc).

- Chame os amigos e faça um churrasco (com churrasqueira a carvão, please!)

- Faça uma lista com as crianças do que podem fazer para mudar alguma coisa: seja em casa, no mundo, no comportamento delas, etc (Versão para escoteiros: faça uma lista do que falta para você alcançar sua próxima etapa ou especialidade).

- Toque violão, flauta ou qualquer outro instrumento musical.

- Só para as meninas: junte as amigas para uma sessão de máscaras no cabelo e no rosto, fofocas e risadas. Pipoca é bem vinda.

- Para escoteiros, seniores, pioneiros, chefes ou qualquer outros interessados: desenterre um livro de RPG, junte a turma e descubra como era bom na época em que esse tipo de jogo não era virtual.

E você, também tem alguma sugestão?

Barbie e Hot Wheels

Eu não ia fazer o post, porque esqueci de levar a câmera e só tirei fotos com o celular. E - claro - ficaram uma "belezuras", já que era dentro do shopping e meu celular não tem flash. Mas depois eu pensei: quer saber, vou fazer assim mesmo. Porque foi um evento tão bacana, as crianças gostaram tanto, o pessoal da Mattel (desde a assessoria de imprensa até quem estava lá) nos tratou tão bem... merece sair o post. Então vocês estão avisados que as fotos não estão boas, mas o evento e a alegria estavam ótimos!

Fomos convidados, na semana passada, para o lançamento do espaço “Barbie Tudo pode Acontecer!” e "Team Hot Wheels", no shopping Market Place. E os dois gostaram tanto que eu penei, me dividindo entre um lado e outro, porque cada um queria fazer uma coisa, cada um queria tirar foto de algo diferente e a mãe era uma só!

Vítor em uma das pistas.

Alice toda moça, sentada com uma "Bábi" no colo.


Do lado da Barbie, espaços com roupas para as pequenas se vestirem e para vestirem as Barbies. Alice se entreteu tanto com as bonecas que nem ligou para roupas, queria era colocar mil "looks" nas Barbies e colocar para desfilar. Sim, porque alem de poder colocar sapatos, vestidos, colares e bolsas, as bonecas ainda tinham uma passarela motorizada, onde exibiam os "looks" criados. Do lado Hot Wheels várias pistas diferentes, jogos de wii, exposição de capacetes... e 4 "pilotos", com os quais - claro novamente - o Vítor quis tirar foto, um por um.

Vítor e o piloto azul. Tem foto com todos eles, mas vou poupar espaço...rs
"É minha, mãe?"

Acho que este foi um dos eventos mais difíceis de ir embora. Fui salva pelo fato de que, na saída, cada um ganhou um brinquedo, então eles se distrairam com isso. Assim foi mais fácil enfiar os dois no carro e ir para casa. No dia seguinte, claro que os brinquedos fizeram o maior sucesso.

Quem é que vai querer sair de um paraíso como esses? Nem eu queria...

Dá para perceber que Alice também se aproveitou do lado Hot Wheels, né?

E vou contar que dei uma de mãe má, na primeira bobeada da Alice eu escondi a Barbie que ela ganhou. É uma Collector, linda. E ela ainda não tem a destreza necessária para brincar sem estragar. Então vou comprar outra mais simples e deixar essa para quando ela for maior. Legal foi ver a cara de espanto do Vítor, quando eu disse que tinha guardado porque era uma Barbie de coleção. Ele logo soltou: a minha pista de Hot Wheels não é de coleção não, né? Não filho, você já tem idade para brincar direitinho...








Para quem está em São Paulo, o espaço “Barbie Tudo pode Acontecer!” e "Team Hot Wheels" agora está aberto para o público e vai até o dia 8 de abril, no shopping Market Place. Para mais informações, basta clicar aqui.

Reciclagem ao alcance das crianças: horta de garrafas PET

Por conta do Movimento Escoteiro, eu ando pesquisando bastante sobre projetos ecológicos e sustentáveis para crianças e jovens entre 7 e 17 anos. Eu prometo que depois venho aqui explicar direitinho o motivo dessa pesquisa, detalhar bem o que é, sei que vocês vão gostar. Mas hoje eu queria compartilhar algumas imagens que encontrei, coisas bem simples que qualquer criança com mais de 4 anos pode - e vai adorar - fazer. Que tal uma horta ou mini horta feita com garrafas PET? Dá pra fazer até em apartamento!!






Font das imagens: fan page Novos Rurais

A expressão do amor



Hoje eu estava lendo os blogs do Amiga Comenta...

(Abro uma pausa: para quem ainda não conhece, o Amiga Comenta é um grupo dentro da Rede Mulher e Mãe onde várias pessoas colocam os links do posts que fizeram durante a semana. Aí você vai nos posts divulgados lá, lê e comenta. As outras participantes também vão no seu post e também comentam. E quer coisa melhor do que receber o feed back do que você está escrevendo? Fechando essa pausa e voltando pro assunto)  

...e estava comentando no blog da Ana Scharf, o "Amor, Fraldas e Mamadeiras", sobre necessidade e formas de se expressar o amor pelos filhos. Uma hora eu olhei pro comentário e pensei: tá ficando maior do que o post dela! kkk Então encurtei o comentário lá e vim discorrer sobre o assunto aqui, que é o lugar pra isso.

Quando eu era pequena, meus pais nunca me disseram "eu te amo". E nem diziam isso um ao outro. A explicação deles era que não é preciso dizer "eu te amo" para expressar amor, isso pode ser feito de outras formas com a mesma qualidade. Hoje eu tenho uma opinião diferente deles, apesar de concordar em parte com o que eles pensavam. Eu realmente acho que "eu te amo" não é "bom dia", não precisa ser dito a torto e à direito. Isso não é sinal de que realmente se ama alguém. Mas eu acho que é preciso falar sim, principalmente para as crianças, porque para elas as nossas demostrações de amor não são assim tão claras. Eles não conseguem ver que estamos fazendo algo especificamente porque o amamos, as vezes isso soa natural e corriqueiro.

E hoje aconteceu um caso típico desses. Essa semana estou com minha mãe e minha irmã lá em casa (elas moram em Brasília). E como elas pediram, as crianças estão indo para a escola só por meio período. O resultado é que estou me desdobrando em mil para conseguir que eles passem esse tempo juntos, que aproveitem enquanto podem, porque realmente acho que é importante para os quatro. Aí que hoje não foi tão tranquilo quanto os dias anteriores e eu tive que sair antes de uma reunião acabar para pegar as crianças em casa, levar pra escola correndo e voltar correndo para o trabalho. E, no meio de tudo isso, Vítor é mal educado comigo.

Eu fiquei muito brava! Disse a ele que estava me matando para que tivesse a oportunidade de curtir a vovó e a dinda, que não merecia esse tratamento dele, que da próxima vez ele ia para a escola todos os dias, porque eu não ia ter todo esse trabalho com quem não dá o menor valor. Ele na hora me pediu mil desculpas e disse que não ia fazer isso novamente, claro. Mas depois, pensando calmamente, vi que ele não estava enxergando o que eu fiz como um trabalho extra. Para ele toda essa situação era muito natural. O esforço da minha parte é muito sutil para a cabecinha de criança dele.

Por causa disso fiz uma anotação mental para, todas as vezes em que eu estiver me esforçando mais e abrindo mão de algumas coisas por amor a eles, vou explicar isso. Não que eu queira reconhecimento pelo esforço, mas para que eles saibam que são amados, que a mãe quer vê-los felizes e não se importa de abrir mão ou fazer mais esforços por isso.

Em tempo: eu não digo todos os dias que eu os amo. Mas digo frequentemente. E encho de beijos, abraços e dengos, elogio quando fazem coisas certas, brigo quando fazem coisas erradas, premio quando merecem e dou presentes do nada, apenas porque acho que eles iam ficar felizes com isso. E isso também é dizer te amo, mas sem dizer uma só palavra...

Mais mudanças em mim

Eu só venho aqui pra contar que mudei alguma coisa, né? Primeiro foi a tatuagem, agora é o cabelo. Meu marido disse que do jeito que eu ando, em breve ele vai chegar em casa e dar de cara com uma nova esposa! :)

Fazia um tempo que eu estava querendo mudar, no fim do ano cortei curto e agora cortei novamente, mas num corte totalmente diferente. Nesta foto ele está escovado e lindão. A cabelereira ainda se empolgou e fez uma bela maquiagem em mim, porque eu tinha dormido super mal na noite anterior e estava com cara de anteontem.



Minha questão é: ainda estou de escova. Como será que o cabelo vai ficar depois que eu lavar? kkkkk Pode deixar que eu virei aqui contar para vocês.

P.S.: Eu só gostaria que o meu próximo post também fosse sobre mudança em mim. Meu sonho é: Oi gente, vim aqui para contar que emagreci 20 quilos...rsrs

Saudades


Faz tempo que eu ando querendo escrever este post. E hoje eu estou sentindo isso mais do que nos outros dias, então acho que é uma boa hora para falar, colocar para fora, até mesmo para "desopilar". Vocês já sabem que eu me mudei de Brasília para Sampa, vai fazer um ano agora em março. E também já sabem que nos adaptamos super bem, que estamos adorando e que não temos planos de voltar para Brasília, por mais que eu goste muito de lá.

Mas preciso confessar que tem uma coisa que está me fazendo muita falta: as amigas. Claro que eu não estou completamente abandonada aqui, fiz muitas boas amizades, mas andei quebrando a cara aqui e acolá. Coisas como ficar sabendo pelo facebook ou pelo blog que uma pessoa que eu considerava amiga passou por um momento difícil, que eu estive com essa pessoa e não soube de nada. Ou achar que considerar alguém como uma grande amiga e ficar sabendo de algo importantissimo para a vida dela (e um pouco para a minha) em cima da hora, porque eu ficaria sabendo de qualquer jeito, ou até mesmo ficar sabendo que outra pessoa que eu considerava inventou uma mentira envolvendo meu nome. Sem contar com aquelas que pela internet dizem que são suas amigas e que vão dançar, cantar e sapatear por você e na hora do vamos ver, cara a cara, somem do mapa.

Não dá para dizer que não fico triste com essas coisas que contei aí em cima. Claro que eu fico, mas passa, eu deixo passar, bola pra frente. O que tem me incomodado nem é isso. Talvez eu nem saiba explicar direito, mas acho que posso exemplificar: Eu sinto uma saudade danada da Marcinha, dinda da Alice e minha dinda de casamento. Saudade de aparecer na casa dela sem precisar avisar, de pensar "não tenho o que fazer na sexta, acho que vou lá bater um papo", de chegar lá, tirar o sapato, sentar no chão e ficar jogando conversa fora. De saber que se estiver passando por um problema posso ligar pra ela e soltar o verbo, que vai ter sempre um colinho pra mim. E de saber que quando ela passa por um problema acontece o mesmo, que ela confia em mim para contar o que está acontecendo. O mesmo posso dizer da Glorinha, que falta tremenda vocês fazem aqui!! Assim como a Suzana, a Carol... podia passar o dia falando! rs

E é mais ou menos isso que eu sinto falta, sabe? Tenho amigas lindas, mas acho que ainda não chegamos nesse ponto de intimidade e ando sentindo uma falta terrível de "casa". Eu sei que todas elas estão super dispostas a me ouvir, mas sei que poucas se sentem confortáveis em me procurar quando estão com algum problema. Também sei que isso é coisa de tempo, que uma hora isso vai chegar. Mas enquanto não chega eu sinto um vazio...

Para terminar, umas fotos, lindas!

Cacá, Carol, eu e Su

Como diria Alice, "dida Mácia"

Marcinha, Glorinha e Alice fazendo graça.
Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires