Vídeo patrocinado - Será que este é um bom momento para trazer umacriança ao mundo?

Já perdi a conta de quantas vezes alguém me disse que não queria ter filhos, porque não achava justo colocar uma criança neste mundo tão ruim e cruel, tão repleto de coisas más. Eu nunca concordei com essas pessoas, mesmo que naquela época não tivesse parado para pensar profundamente no assunto. Eu simplesmente achava a vida tão boa, via tantas coisas legais no mundo, que mesmo com todas as coisas ruins, ainda assim eu amava viver.

Meu primeiro filho não foi planejado, ele veio de surpresa e eu tive milhares de dilemas com essa gravidez inesperada. Mas nenhum deles envolvia o fato de vivermos em um mundo com graves problemas. Nem posso dizer que essa preocupação veio com o tempo, a medida que ele cresceu, porque seria mentira: em nenhum momento essa foi uma grande preocupação em minha vida. É claro que eu não sou nenhuma alienada, eu sei que existem diversos perigos que não devem ser ignorados, principalmente por pais e por crianças inocentes, que não vêem maldade nas coisas. Mas, ainda assim, eu acho que o mundo é um lugar bom para se viver. Na verdade é cada vez melhor. Por isso, quando o blog Entre Fraldas e Livros foi convidado para participar do lançamento do Projeto Sunlight, da Unilever, assim que eu assisti ao vídeo e soube do que se tratava, topei na hora. Porque tem tudo a ver com o que eu penso sobre o assunto.


(confesso que fiquei emocionada com este vídeo e que até deu vontade de ter mais um. Pronto, passou...rs)

Assim como o Projeto Sunlight, eu também acho que nossa participação nessa "evolução" do mundo é muito importante, que nós devemos fazer a nossa parte para construir um futuro melhor e fazer do mundo um lugar melhor para as nossas crianças, para as próximas gerações. E isso é muito mais simples do que parece ser, não é preciso fazer uma grande revolução para que isso aconteça. São pequenos gestos, que se fossem feitos por todo mundo, já teriam causado uma mudança ainda maior. Eu escolhi fazer a minha parte de duas formas: 1 - colocando meus filhos para conhecer e participar do Movimento Escoteiro; 2 - doando o meu tempo e o meu conhecimento, como voluntária no Movimento Escoteiro. Dessa forma eu não só garanto que meus filhos aprenderão o suficiente e passarão a "mensagem" adiante, como ajudo diversas outras crianças a também aprender e repassar. É a velha questão: ao invés de só nos perguntar que mundo deixaremos para os nossos filhos, precisamos também pensar em que filhos estamos deixando para o mundo.

E você, o que faz para tornar esse mundo um lugar melhor para os seus filhos? O que faz para deixar filhos melhores para o esse mundo? Compartilhe e conte aos seus amigos suas pequenas ações em suas redes sociais usando a hashtag #projectsunlight .

* O Project Sunlight da Unilever é uma nova iniciativa que tem como objetivo motivar milhões de pessoas a adotarem um estilo de vida sustentável. O projeto foi concebido para convidar as pessoas a tomarem três simples atitudes: VER um futuro melhor em um novo vídeo online que inspira e motiva as pessoas, AGIR fazendo pequenas coisas que contribuem para uma sociedade e um meio ambiente melhores e PARTICIPAR do movimento e fazer parte de uma comunidade crescente de pessoas e organizações que pensam da mesma maneira e que querem fazer sua parte em construir um futuro melhor. 

Para marcar o lançamento do Project Sunlight hoje (20/11), Dia Universal das Crianças, a Unilever vai ajudar 2 milhões de pessoas por meio de suas parcerias contínuas, oferecendo merenda escolar pelo Programa Mundial de Alimento; água limpa e potável pelo Salve as Crianças; e mais higiene pelo UNICEF.

Para mais informações, basta clicar aqui

*Post patrocinado pela Unilever

Dica de passeio ao contrário: por que NÃO ir ao Cinemark Shopping D

Eu raramente venho aqui reclamar de alguma coisa. Geralmente eu deixo passar um mau atendimento, um local sujo, uma fila imensa... as vezes é uma ocasião, as vezes peguei a pessoa no dia errado, sei lá. Mas no caso que vou falar hoje não tem jeito, é um absurdo mesmo.


Eu e meu marido fomos ao cinema neste domingo ao Cinemark do Shopping D, assistir à sessão das 22h30. Vou ignorar o fato meio absurdo de que a bilheteria ficam um andar abaixo, meio escondida, enquanto as salas ficam um andar acima. Isso até dá para relevar.

O problema começou na fila da pipoca. Dois caixas abertos, filas imensas e os atendentes fazendo tudo muito tranquilamente, como se fosse uma segunda a tarde e tivesse apenas uma pessoa na fila. Nós éramos os terceiros da fila e levamos quase meia hora (!!) para sermos atendidos! Aí chegou outra surpresa: não tinha gelo, todas as bebidas de máquina em temperatura ambiente, levemente (muito levemente) geladas. Nem preciso dizer que antes da metade do filme estavam intragáveis, não é?


Dentro da sala, outra surpresa: tudo IMUNDO. Não, não estava sujinho, ou sujo. Estava IMUNDO mesmo. Muito lixo embaixo de todas as cadeiras, de todas as fileiras. O chão dos corredores estava pegajoso e manchado sei lá de que. Tentamos tirar foto, mas estava escuro e nosso flash refletia em uma névoa (?) que tinha por lá. Nem vou comentar muito do banheiro, tá? Basta dizer que parecia banheiro de rodoviária, vou deixar por conta da imaginação de vocês...

Mas o que realmente me deu vontade de escrever esse post foi olhar as dicas deste cinema no Foursquare. A maioria esmagadora das pessoas estava reclamando EXATAMENTE das mesmas coisas que eu reclamos neste post. E desde 2010! Alguns até comentam que mandaram e-mails para a gerência reclamando, ou seja, a empresa sabe dos problemas.


Então me digam: o que leva uma empresa do porte do Cinemark, num shopping do porte do Shopping D, a tratar dessa forma os clientes? Aliás, vou além: atendimento ruim já é uma coisa péssima para a imagem da empresa e irrita os clientes, mas sujeira é caso de saúde pública.

Por essas e outras, o Cinemark do Shopping D entra aqui no blog como uma dica de passeio ao contrário: NÃO VÁ!

Minhas descobertas em educação dos filhos

Dizem que filho é igual a videogame: quando você passa de uma fase, vem outra mais difícil. Eu tenho que concordar, porque definitivamente ser mãe não é nada nada fácil. Atualmente eu ando tendo MUITA experiência com crianças de idades bem próximas à idade do Vítor e isso tem sido extremamente educativo para mim. Porque, apesar das diferenças de personalidade, sociais e até econômicas que obviamente existe entre cada um deles, há muitas coisas em comum que eu, mãe sem nenhuma especialização acadêmica em educação (só prática rsrs), estou classificando como sendo "da fase".


Isso me ajudou muito porque, cada vez que o Vítor me aprontava uma, eu dava um castigo DAQUELES. Agora, vendo que (sendo bem clichê) eles são todos iguais, o castigo deu uma diminuída. Claro que ainda acho que é preciso dar bronca e corrigir, mas estou maneirando o tamanho disso, porque descobri que não é um problema de comportamento, caráter ou personalidade. E isso tornou minha vida um pouco mais leve. Afinal, ficar dando bronca em criança o tempo todo acaba desgastando a gente "por demais", não é verdade?

Alice fazendo igualzinho o irmão fazia.
E parece que com o filho mais velho é sempre pior, sempre mais complicado. Acho que, como enfrentamos as crises pela primeira vez, tudo parece maior e mais complicado. Um amigo me disse uma vez que filho mais novo sofre porque nada que ele faça será novidade para os pais. Eu fiquei pensando sobre isso e pensei que filho mais novo tem vantagens e desvantagens. A desvantagem é justamente essa, nada será tão comemorado, porque o mais velho já fez antes (se bem que com a grande diferença que existe entre o Vítor e a Alice, tudo quase é novidade, porque eu já não lembro quando aconteceu cada coisa rsrs). Mas a vantagem é que eles ganham pais mais "leves", porque os pais também já passaram pelas mesmas fases e sabem como acertar na mosca e resolver o problema. Claro que a "mosca" varia de criança para criança, mas a maior parte das crises acaba sendo parecida para a maior parte delas, então, de qualquer modo, isso dá aos pais maior tranquilidade para lidar com os filhos mais novos.

E vocês, o que acham? Já sentiram esses pontos em comum entre crianças de idade parecida? E os que têm mais de um filho também sentem essa "leveza"? 

Projeto Emagrecimento #thatynadukan

Faz algum tempo que eu quero vir aqui para contar as novidades, mas está tão corrido que fui adiando. Bem, mas agora estou aqui para contar a quantas anda o meu projeto. Faz aproximadamente 90 dias que comecei a Dukan + caminhada (30 min pelo menos 4 vezes por semana). E já emagreci 12 quilos! Para falar a verdade, quem olha para mim não vê ainda muita diferença (verdade! Ainda faltam 15 quilos!), mas dá para sentir nas roupas. Algumas que não serviam mais voltaram a servir, outras estão bem largas.

Na verdade já era para eu ter emagrecido mais, só que outubro foi um mês complicado. Aniversário da Alice, meu aniversário, dois acampamentos. E tem lugar que é impossível seguir a dieta, então o negócio é relaxar, "jacar" e retomar assim que possível.

Eu acho a Dukan a melhor dieta para mim, mesmo não sendo tão fácil segui-la as vezes, principalmente na rua. Para fazer Dukan é preciso arregaçar as mangas e ir para a cozinha, mesmo se não tiver muita prática nisso. Eu não era exatamente uma iniciante na cozinha, mas confesso que apanhei um pouco até pegar o jeito, principalmente dos bolos (problema resolvido depois que eu finalmente encontrei o PIS).


Minha alegria: consegui fazer bolo sem açúcar e sem farinha de trigo. E viva o PIS (Proteína Isolada de Soja)
Sem contar que, com a internet, não tem como ficar na mesmice da carne grelhada com omelete. O céu é o limite! Nesse meio tempo já fiz, entre muitas outras coisas, kibe assado, farofa de fibra de trigo, lasanha (com e sem berinjela) e até macarrão à carbonara fake (com kani kama ao invés de macarrão). E quando sobra eu coloco numa marmitinha e congelo, para os dias em que estou com pressa ou sem saco para cozinhar. Ah, em breve começarei a compartilhar umas receitas aqui no blog!

Quando sobra, vai tudo para o freezer.
Outra coisa que vou postar em breve é minha experiência com os produtos Slim & Sculp que a Valmari Dermocosméticos me mandou para ajudar no meu projeto de emagrecimento. Faz 5 dias que eu estou testando, então ainda é cedo para falar de resultados. Mas já já eu volto para contar detalhes!

Os produtos que a Valmari me mandou para testar.

Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires