Afinal, o que é esse tal de escotismo?

 
Promessa da lobinha Giovana. Arquivo pessoal
 O que fazem os escoteiros? Eles vendem biscoitos como nos filmes? Tenho amigos escoteiros e eles falam muito sobre isso. É algum tipo de seita ou lavagem cerebral? Se eu perguntar algo a eles corro o risco de tentarem me "converter"?

Eu tenho certeza que muitas pessoas já fizeram ou pensaram essas perguntas acima. Afinal, todo mundo que conhece um ou mais escoteiros já viram muitas fotos meio malucas, comentários super empolgados e convites para participar. É natural, pois quem participa de algo que gosta muito quer compartilhar com outras pessoas, pois quer que os outros também "provem" daquela coisa tão boa.

Mas afinal, o que é esse tal de escotismo? Se você perguntar a uma criança ou jovem, dificilmente ela vai conseguir te responder. Provavelmente ela vai te falar um monte de coisas que ela fez e achou muito legal, sem definir exatamente o que você gostaria de ouvir. Isso acontece porque uma coisa é o que o escotismo se propõe a fazer e outra coisa é o que esses jovens conseguem enxergar antes de terem maturidade suficiente para isso.

Baden Powell, fundador do Escotismo
Imagem: divulgação
O Movimento Escoteiro foi criado por um militar da Cavalaria inglesa, Robert Sterphenson Smyth Baden-Powell. Ele havia escrito um livro para militares, que fez tanto sucesso entre os jovens que estava sendo utilizado nas escolas masculinas. Baden-Powell viu nisso uma oportunidade de  ajudar os rapazes da Inglaterra a se desenvolver de forma mais ampla e saudável. Ao desenvolver seu manual de adestramento para jovens, começou a nascer um movimento mundial.

De lá para cá o programa seguido pelo Movimento Escoteiro já foi atualizado várias vezes, porque as gerações que vieram de lá para cá não são as mesmas. Mas as bases continuam as mesmas: trabalhar os deveres para com Deus, para com o próximo e para consigo mesmo. Dessa forma, o ME tem o propósito de contribuir para que os jovens assumam seu próprio desenvolvimento, especialmente do caráter, ajudando-os a realizar suas plenas potencialidades físicas, intelectuais, afetivas e espirituais, como cidadãos responsáveis, participantes e úteis em suas comunidades.

Mas como? O escotismo tem um método para chegar aos objetivos descritos acima. E esse método é realizado por meio dos seguintes pontos: aceitação da Promessa e da Lei Escoteira, aprender fazendo, vida em equipe, atividades progressivas, atraentes e variadas e desenvolvimento pessoal com orientação individual.

Tropa Escoteira Guarani, do GE Ararigboia, Zona Norte de São Paulo
Arquivo Pessoal
Muito bem, mas o que isso realmente quer dizer? O que tudo isso aí em cima tem a ver com as fotos que você vê de crianças acampando, correndo, pulando ou se pendurando em cordas? Bem, isso tudo aí quer dizer que utilizamos jogos para ensinar e fixar o conteúdo, elas aprendem brincando. Isso quer dizer que incentivamos a vida ao ar livre e o contato com a natureza, incentivamos o envolvimento e a interação com a comunidade de forma lúdica e divertida. Também quer dizer que eles aprendem a ter disciplina e serem responsáveis naturalmente e voluntariamente. Ah, também quer dizer que eles aprendem na prática, desenvolvem sua autonomia e aprendem a importância do compromisso.

Para ser mais clara, vou dar alguns exemplos. O primeiro é um concurso de culinária, onde cada dupla deve criar um sanduíche, um nome para ele e fazer um cartaz com suas propriedades nutricionais, como calorias e etc. O que a criança vê é a diversão de fazer seu próprio sanduíche, a alegria de competir e fazer melhor do que os amigos, a festa de experimentar todos os sanduíches no final. O que os adultos que fizeram a proposta de atividade vêem é a oportunidade de aprender a ceder para chegar a um acordo com o colega sobre o que será feito, a chance de usar a criatividade para escolher os ingredientes, o desenvolvimento da autonomia ao fazer sozinhos os sanduíches, o aprendizado sobre nutrição ao pesquisar o que vai naquele sanduíche. 

Escoteiro Pedro Aloise participando de um concurso de sanduíches
Arquivo Pessoal
O segundo exemplo é um simples jogo de corrida costas a costas. O que a criança vê é o desafio de correr de costas e conseguir chegar primeiro com seu companheiro, a empolgação de ver a sua patrulha ganhar, a delícia de sentir a empolgação que a adrenalina causa em seu corpo depois do jogo. Os adultos olham e vêem o desenvolvimento da coordenação motora, o aprendizado de trabalhar em equipe, a disciplina em acertar o compasso para caminhar ou correr.

Bem, dito tudo isso, vamos a algumas perguntas básicas, meio como um SAC:

- Quero colocar meu filho no Movimento Escoteiro, como faço?

Procure o Grupo Escoteiro mais próximo da sua casa (no site Escoteiros do Brasil tem todos os endereços), telefone e marque uma visita. Faça todas as perguntas que tiver vontade, não se acanhe. Observe o tratamento que os chefes dão às crianças e a vocês. Para que a criança sinta-se confortável é preciso que vocês também se sintam da mesma forma. Caso não gostem ou discordem de alguma coisa, não hesitem em comentar ou até mesmo procurar outro Grupo. Apesar de seguirem todos o mesmo programa, cada Grupo tem suas especificidades e modos de atuar.

- A partir de qual idade meu filho(a) pode ser escoteiro?

A partir de 6,5 anos a criança pode ser lobinho(a). Com 10/11 são escoteiros, com 14/15 são sêniores/guias e com 17/18 são pioneiros. A partir de 21 são escotistas/chefes.

Apesar de não existir oficialmente no programa dos Escoteiros do Brasil, alguns Grupos tem também o Castorismo, para crianças de 4/5 anos até 6,5. Não é tão fácil de encontrar esses Grupos, mas a maior parte está no Estado de São Paulo, alguns desenvolvem esse projeto há mais de 30 anos.

Alice fazendo promessa de castora no Projeto Piloto do GE Ararigboia
Arquivo Pessoal
- Eu sempre quis ser escoteiro, mas não fui quando era criança. Agora estou velho demais?

Não dá para voltar no tempo e aproveitar o Movimento da mesma forma que aproveitaria quando era criança. Mas ser escoteiro depois de adulto também tem suas vantagens e atrações. Entender como funciona, proporcionar a várias crianças a oportunidade de viver este Movimento, fazer amigos nos mais diversos lugares... isso tudo não tem preço! Sem contar as milhares de vezes em que esquecemos nossa idade e nos divertimos como se tivessemos realmente voltado no tempo. Por isso, se você tem mais de 21 anos não deixe de viver essa aventura!

Alguns chefes do Ararigboia se divertindo muito!
Arquivo pessoal
- Gostaria de levar meu filho(a) para conhecer o escotismo, mas não tenho tempo para participar e não quero me envolver muito. Ele pode participar ainda assim?

Para ter um filho no Movimento Escoteiro é preciso ter o mesmo envolvimento que se tem com a escola dele. Você não precisa estar lá durante as atividades (a não ser durante a integração, enquanto ele não tiver um registro escoteiro), não precisa fazer nada que já não faça com outras atividades extras que ele já faz atualmente. Algumas vezes você será chamada, como numa festa de dia das mães (ou pais), o recebimento de uma especialidade ou na promessa. Ou até para ajudar em algum evento especial. Mas isso não será o tempo todo, apenas em ocasiões esporádicas.

- Meu filho(a) vive na frente do videogame, não gosta de mato e não vive sem televisão. Será que ele vai aguentar ser escoteiro?

Muitas vezes as crianças estão na frente do videogame e da televisão por pura falta de outras atividades mais atrativas. Antigamente era muito mais comum brincar na rua com outras crianças, mas hoje em dia é mais perigoso deixá-los sozinhos fora de casa. Ainda assim, dê a uma criança uma bola ou proponha alguma atividade intrigante e...voilá, você terá uma criança interessada. Por isso não deixe de dar a seu filho a oportunidade de conhecer outras formas de se divertir.

Nascente do rio São Francisco seca em Minas

Imagem: Planeta Sustentável
Na crise hídrica que tomou conta do país nem o “velho Chico” escapou. Segundo entrevista do diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra, ao G1, a nascente do Rio São Francisco secou. O especialista afirma que nunca viu um nível tão alarmante.

A nascente do rio – de 2.700 quilômetros de extensão - fica exatamente no parque da Canastra, município de São Roque, sudoeste de Minas Gerais. Na última terça-feira (23), o diretor do local, Luiz Arthur Castanheira, subiu a serra com o analista ambiental Vicente Faria para encontrar sinais de água e tiveram uma infeliz surpresa.

Em entrevista ao Estadão, Faria afirma que isso aconteceu de forma gradativa e que as queimadas e estiagem ajudaram a acelerar o processo – 40 mil hectares de vegetação foram queimados só em julho.

A situação tem reflexo na questão energética, uma vez que na região está instalada a Usina Três Marias que já opera com pouco mais de cinco por cento de sua capacidade. A barragem responde por mais de 30% da energia consumida em todo o Nordeste.

De acordo com Anivaldo Miranda, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, a qualidade do rio está piorando e a situação ameaçada a biodiversidade local. Segundo ele, serão realizadas audiências públicas com a sociedade civil e autoridades para se discutir o futuro da bacia e a necessidade de investir o mais rápido possível em sua recuperação.

Especialistas afirmam que a região não é determinante para o volume de água da bacia, porém na nascente do rio, que tinha cerca de um metro de profundidade, restaram apenas poças de água e fuligem.
Fonte: CicloVivo 

Dica de passeio - Museu do Futebol comemora seis anos de história




O Museu do Futebol fará, nos dias 27 e 28 de setembro uma programação especial em comemoração ao seu aniversário de seis anos. Com inclui entrada gratuita, esta programação inclui jogos educativos, oficinas diversas e transporte gratuito (no sábado, dia 27) no trajeto entre as estações Clínicas e Barra Funda ao Museu, das 10 às 18 horas.

No dia 27, das 11 às 15h45, na área externa do Museu, acontecerão oficinas e apresentações de Futebol Freestyle, modalidade que realiza manobras com bolas mexendo várias partes do corpo. Das 9 às 17 horas, serão as oficinas de origami, desenho, contação de histórias e futebol de mesa.

As atividades educativas iniciam às 11 horas, com o “Faça Sua Camisa”, no cantinho educativo INS-PIRAR ao lado do Centro de Referência do Futebol Brasileiro (CRFB). Na oportunidade, os visitantes poderão criar suas próprias camisas de times de futebol. A proposta da atividade é promover uma reflexão sobre os elementos inseridos nas camisas dos clubes ao longo da história do futebol, como os brasões, números, nomes e patrocínios.

Às 14 horas acontecerá a brincadeira “Com que roupa eu vou?”, na sala Números e Curiosidades. O objetivo é que o visitante coloque em um boneco as diferentes vestimentas usadas pelos jogadores, juízes ou torcedores, de acordo com as mudanças que ocorreram na história do futebol.

Todas as atividades educativas do Museu do Futebol também fazem parte da 8ª Primavera de Museus, coordenada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura), que acontece anualmente na semana do início da estação.

Na entrada principal do Estádio do Pacaembu todos poderão admirar as técnicas de live paiting do artista Jerry Batista.  A pintura realizada em tempo real será em homenagem ao aniversário do Museu.

No domingo, dia 28 de setembro, também haverá atividades educativas às 11 e às 14 horas. O Museu será fechado às 15h30, por conta do jogo entre Santos e Goiás no Pacaembu.

Por fim, depois de um passeio no Museu, toda família é convidada a participar da terceira edição do projeto “Futebol da Gente” e contar suas histórias sobre futebol e infância.  A gravação ocorrerá das 9h30 às 17 horas, com intervalo das 12h30 às 13 horas. O projeto “O Futebol da Gente” é uma iniciativa do Centro de Referência do Futebol Brasileiro (CRFB) e visa registrar para o acervo do Museu histórias de pessoas comuns que revelem os laços afetivos que o futebol permite criar no dia-a-dia do brasileiro. Essa edição encerra o projeto. Os vídeos estarão acessíveis no Centro de Referência do Futebol Brasileiro, por meio do site dados.museudofutebol.org.br .

Desde sua inauguração, em 2008, o Museu do Futebol já recebeu 2,5 milhões de visitantes. Durante o mundial de 2014, 12 de junho até 13 de julho, recebeu 75.085 pessoas, sendo 32.841 estrangeiros. Recentemente entrou na lista dos cinco melhores museus do Brasil pelo site norte-americano TripAdvisor, um dos mais importantes sites especializados em viagens e turismo no mundo. 

Serviço
Aniversário de seis anos do Museu do Futebol
Local: Museu do Futebol
Endereço: Praça Charles Miller
Data: 27 e 28 de setembro (sábado e domingo) 
Entrada: Gratuita nos dois dias
Horário de funcionamento: das 9h às 18h (bilheteria até as 17h) 
*No dia 28 o Museu fechará às 15h30, por conta do jogo entre Santos e Goiás. 
*Estacionamento no local com Zona Azul – R$ 5,00  válido por três horas na bilheteria do Museu.
Tel.: (11) 3664-3848

Que tal mudar um pouco a sua casa?

Quer mudar algumas coisas na sua casa sem ter muito trabalho e ainda ter um resultado bonito? Garimpei algumas dicas no Pinterest para vocês!


Uma tábua de carne, uma madeira daquelas de impedir que a porta feche e um pedacinho qualquer de madeira (esse da foto é de um jogo de scrable) e pronto! Um porta tablet para a cozinha.


Uma caixa de fita, uma imagem bonita na capa, dois parafusos... um porta trecos!


Um aquário ou um vidro bonito e uns pedaços de corda ou sisal, pronto, temos um bonito enfeite para a sala.

Pode ser com tinta para quadro negro ou com papel contact para o mesmo fim. E nem precisa ser uma mesa velha, pode ser aquela da cozinha que você só usa com toalha de mesa por cima.


Mais fácil do que isso, impossível. Use seus porta revistas para guardar os biscoitos e organizar seu armário da cozinha. Se quiser personalizar ainda mais, faça seus próprios porta revistas/biscoitos usando caixas grandes de sucrilhos e papel contact colorido.

Coisas de Alice - quando encontramos ratos franceses na praia

Alice está na fase das tiradas engraçadas. Acontece o tempo inteiro, mas hoje me lembrei de uma na praia...

Achamos um tatuí na praia. Fazia anos que eu não encontrava um, chamei logo os dois para ver.

- Olha gente, um tatuí! Hoje em dia é bem difícil achar um, só vive em praia limpa!

Vítor correu, pegou balde com água, buscou câmera, tiramos foto.

- Agora vamos devolver o bichinho para a casa dele, né? Ele deve estar assustado.

Alice pergunta onde é a casa dele e eu respondo que é na areia. Soltamos o tatuí e voltamos para nossa brincadeira de castelinho.

Depois de um tempo eu vejo Alice enfiando um monte de areia no balde e levando pra outro canto. Pergunto a ela o que está fazendo.

- Colocando mais casa para o bicho.
- Bicho? Que bicho? (já fazia um tempo do tatuí e eu tinha esquecido)
- O bicho mãe! O que você achou! O rato!
- RATO???????? Que rato??? Não achei rato nenhum!
- Achou sim, mãe! Aquele que mora na areia! Não lembra? O Ratatouille!!!


 o

Dia do professor: o que dar de presente?

Há dois anos eu fiz um post com algumas dicas de coisas simples para dar de presente no dia do professor (não viu? Clique aqui). Mas agora, dois anos depois, achei melhor fazer outro post, pois existem muitas e muitas boas ideias por aí e eu não vou querer minhas amigas desesperadas em cima da hora, não é verdade?

Ideia daqui
Essa é uma dica simples e rápida: um pote bonito, alguns confeitos coloridos e um recadinho fofo, de preferência escrito pela própria criança.


ideia daqui

Lindo e simples! Basta colar com cola quente o giz de cera ao redor de um copo ou pote e encher de guloseimas.

Ideia daqui

Seguindo o mesmo padrão, que tal um vaso de flores?

Ideia daqui
E que tal levar as crianças para a cozinha e fazer biscoitos. Na internet tem receitas bem simples! E um cortador em formatos diferentes torna tudo mais especial.

Ideia daqui
Uma plantinha, um vaso bonito, uma mensagem especial. E pronto!

Ideia daqui


Uma taça bonita (inquebrável please, lembre-se que a criança que vai levar), uns docinhos, uma mensagem de "relaxe, hoje é o seu dia"... simples, elegante e diferente!

Agora não tem mais desculpa, não é? Mãos à obra!

Testamos: lançamentos da BIC para 2015


Todas as crianças atentas ao teatrinho
Neste fim de semana fomos convidados pela BIC para conhecer a Cidade do Livro, um espaço cenográfico tematizado e educativo, que ajuda a estimular o hábito da leitura nas crianças, e que está completando 10 anos em 2014. Enquanto Alice curtia muito o passeio, eu estava com outros blogueiros e jornalistas conhecendo os lançamentos da BIC para 2015. Tinha tanta coisa legal que eu não resisti a vir compartilhar algumas aqui com vocês.

Tudo ao mesmo tempo agora: usando a caneta de 4 cores rosa metalizado, o estojo BIC Evolution
 e a caneta BIC Evolution Kids
Os produtos que mais me chamaram a atenção foram os voltados especificamente para as crianças em fase de alfabetização e a preocupação em atender tanto a destros quanto a canhotos. Alice vai fazer 5 anos e ainda não está oficialmente sendo alfabetizada, mas escreve tudo se soletrarmos para ela (e ela passa o dia nos pedindo para soletrar tudo) e já está a meio caminho de ler. Além disso, é canhota.

Linha BIC Evolution Kids: desenvolvida em conjunto com professores e alunos, esta linha tem produtos com design que orienta a posição adequada dos dedos e pensados tanto para destros como canhotos. Disponíveis nas cores azul e rosa, os produtos possuem também espaço para os pais escreverem o nome da criança na peça.

Esta linha conta com lápis e caneta, Alice testou os dois e gostou muito, anda com eles para cima e para baixo. Muitas pessoas não vêem necessidade de crianças dessa idade usarem caneta, mas apesar dela só usar lápis na escola, aqui em casa ela escreve muito mais com canetas (talvez por ver o irmão usando), então ela gostou muito de ter uma só dela.

Em cima: estojo BIC Evolution e caneta Evolution Kids
Embaixo: Lápis de Cor Super Macio e todos os produtos juntos, no meio o lápis Evolution Kids
Outras novidades que testamos aqui foram os produtos para colorir: 

- Estojo BIC Evolution Lápis de Cor: com design funcional, o produto se transforma em um porta-lápis que pode ficar nas posições vertical e horizontal. Ideal para carregar na mochila e, durante as aulas, ter todos os lápis à vista. 

- Lápis de Cor Super Macio, desenvolvido especialmente para crianças em fase pré-escolar, com formato ergonômico, que facilita o manuseio pelos pequenos, tem ponta grossa e resistente e um colorir macio e suave, preservando a intensidade das cores.

Já que colocamos os favoritos da Alice, vamos ao do Vítor?



- Caneta Atlantis Bold: foi remodelada e chega ao mercado em versão contemporânea, mais moderna e com clip metálico.

E o meu hiper super duper favorito (do marido também):

Ponta emborrachada da Cristal Stylus
- Caneta Cristal Stylus: depois do sucesso da BIC Tech Stylus, lançada no Volta às Aulas 2014, a BIC oferece mais uma opção aos fãs da tecnologia. Com design da tradicional BIC Cristal, a caneta possui duas pontas, uma esferográfica e outra emborrachada para uso em tablets e smartphones.

* este post NÃO é um publieditorial e nós testamos todos os produtos.
Related Posts with Thumbnails
 

Entre Fraldas e Livros Copyright © 2015 | Tema por Girly Blogger Template | Ilustração por Anne Pires